Cultura

Ana Luísa Amaral: cai o silêncio sobre a voz da poeta

6 agosto 2022 15:30

dr

Nome fundamental da poesia portuguesa contemporânea, com múltiplo prémios nacionais e internacionais, Ana Luísa Amaral morre aos 66 anos. De “Minha Senhora de Quê” a “ Mundo”, são 17 livros de poemas, inúmeros ensaios, publicações infantojuvenis, assinados por uma mulher de causas e marcada por um turbilhão de sentimentos. O velório decorre a partir das 17 horas deste sábado na Capela do Corpo Santo, em Leça da Palmeira. O funeral realiza-se este domingo às 11h15 no Tanatório de Matosinhos

6 agosto 2022 15:30

Se um vulcão explode, a terra treme. Se um vulcão esmorece, a vida parece adormecer numa tranquilidade falseada. Se o turbilhão de uma voz se transforma no eco do nada, inerte, infértil, o silêncio perde a capacidade de gerar poesia. E sem poesia não há vida, como não há vida para lá da poesia. Ana Luísa Amaral, 66 anos, poeta, mulher, paria palavras com o mesmo fervor de quem gera um filho e não esquece nunca as dores do parto. As palavras ocorriam-lhe, tanto como eram arrancadas ao quotidiano. A busca de perfeição, a demanda da palavra exata para o ritmo certo de um poema concreto, tornava-se obsessiva. Não doentia. Apenas obsessiva na tentativa de chegar ao termo justo. Inquebrável. Insubstituível.