Cultura

Graça Fonseca e António Costa reagem à morte de Jorge Silva Melo: um "espírito jovem" ao serviço da liberdade

15 março 2022 11:58

A ministra da Cultura, Graça Fonseca e o primeiro-ministro António Costa reagiram hoje à morte do dramaturgo português, aos 73 anos de idade

15 março 2022 11:58

O primeiro-ministro considerou hoje que a morte do ator e encenador Jorge Silva Melo constitui “uma tristeza enorme” e salientou o contributo que deu para a renovação do teatro português após o 25 de Abril de 1974.

Tradutor, dramaturgo, crítico de teatro e cineasta, Jorge Silva Melo morreu na noite de segunda-feira, aos 73 anos, no Hospital da Luz, em Lisboa, vítima de doença oncológica, como comunicou a companhia Artistas Unidos, que dirigia.

Numa mensagem que publicou na sua conta na rede social Twitter, António Costa escreveu que “a intervenção artística de Jorge Silva Melo foi pautada por um espírito jovem”.

“Fez parte da geração que renovou o teatro português no pós-25 de Abril, apostou permanentemente em jovens atores, revelou e pôs em cena autores contemporâneos”, observou.

O primeiro-ministro frisou depois que a morte de Jorge Silva Melo “deixa uma tristeza enorme”.

Também na rede social Twitter, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, lamentou a morte de Jorge Silva Melo, sublinhando a dedicação de uma vida ao teatro e ao cinema.

"Serviu a liberdade, dedicou toda a sua energia ao teatro e ao cinema, viveu sempre sob o lema do amor e do respeito pelo outro”, referiu a ministra da Cultura.

Na mensagem, Graça Fonseca agradece o legado do autor, lembrando ainda: “Criou histórias, construiu espaços, ergueu atrizes e atores, e levantou companhias".