Coronavírus

Covid-19. Galp vai parar a refinaria de Sines durante um mês

20 abril 2020 21:36

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A refinaria de Sines é a empresa que mais emite CO2 em Portugal

d.r.

Petrolífera suspende a refinação de petróleo a partir de 4 de maio devido à queda na procura de combustíveis

20 abril 2020 21:36

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A Galp Energia vai suspender a atividade da refinaria de Sines durante cerca de um mês, a começar a 4 de maio. A informação foi avançada pelo "Público" e pelo "Observador" e confirmada também ao Expresso por fonte oficial da petrolífera, que realçou que não haverá despedimentos, nem layoff, que e os trabalhadores manterão os seus rendimentos.

A suspensão das atividades em Sines, que acontece depois de a Galp ter também decidido suspender a operação na refinaria de Matosinhos, acontece devido ao esgotamento da capacidade de armazenagem de combustíveis, num momento em que a procura de gasolina e gasóleo está em queda, devido às medidas de confinamento associadas à pandemia de Covid-19.

A Galp sublinha que "a evolução da conjuntura nacional e internacional decorrente da prorrogação do estado de emergência, com a imposição de medidas extremas de contenção, quarentenas cada vez mais restritivas e a paralisação da maioria das atividades económicas, estão a criar restrições operacionais severas, causando, inclusive, interrupções na cadeia de abastecimento, em particular por não ser possível escoar os produtos produzidos".

"Estas circunstâncias interferem e impõem restrições técnicas à operação das refinarias da Petrogal, cuja capacidade de armazenamento está a atingir rapidamente o seu limite, pelo que, dados os níveis técnicos mínimos a que as unidades podem operar, por força da produtividade mínima do equipamento produtivo, sem afetar a integridade dos ativos e a segurança de pessoas e do ambiente, será necessário estender as medidas de ajustamento no funcionamento da refinaria de Sines, suspendendo temporariamente a operação da generalidade dessas instalações a partir de 4 de maio de 2020, por um período expectável de um mês", explica a Galp.

A empresa diz ainda que "esta paragem planeada não terá impacto nas pessoas afetas à refinaria da Galp, estando assegurado o abastecimento das necessidades de mercado".