O prato forte da jornada

Famalicão vs Rio Ave: Bacalhau à Pêga ou Arroz de polvo?

19 janeiro 2023 12:50

Pratos de conforto são o mote para o pontapé de saída deste duelo gastronómico da 17.ª jornada da Primeira Liga. O Futebol Clube de Famalicão defronta o Rio Ave Futebol Clube e à mesa o confronto é entre o “Bacalhau à Pêga”, do restaurante Casa Pêga, e o “Arroz de polvo” da Adega do Monte. O Prato Forte da Jornada é uma iniciativa Boa Cama Boa Mesa, com o apoio da Betclic.

19 janeiro 2023 12:50

São dois dos pratos preferidos dos portugueses, típicos à mesa na região norte de Portugal, que se defrontam em representação do Famalicão, atualmente no lugar 14 da classificação, e do Rio Ave, no décimo lugar da Primeira Liga de futebol. A bola rola domingo, dia 22 de janeiro, às 20h30, no Estádio Municipal de Famalicão. Pelo lado da equipa da casa vai a jogo uma receita típica do restaurante Casa Pêga, o “Bacalhau à Pêga”, apresentada por Emília Ferreira, enquanto os visitantes fazem-se representar pelo “Arroz de polvo”, da Adega do Monte, em Vila do Conde, capitaneados por Rui Filipe.

Futebol Clube de Famalicão - Bacalhau à Pêga

Futebol Clube de Famalicão - "Bacalhau à Pêga"

Futebol Clube de Famalicão - "Bacalhau à Pêga"

“Primeiro, escolhe-se um lombo, generoso, de bacalhau”, explica Emília Ferreira, que após demolhado, “é frito num tacho, sobre o bico de um fogão a lenha”. As batatas são “preparadas à parte, também num tacho de fritar”, explica a proprietária do restaurante Casa Pêga, em Vila Nova de Famalicão, ressalvando que ali “não há fritadeiras”. Após atingir o dourado ligeiro pretendido, leva molho de cenoura, num creme criado pela mãe, Beatriz Ferreira, fundadora da casa, com o pai, Amadeu Ferreira. O “Bacalhau à Pêga” (€28) é terminado com feijão-verde e cenoura às tiras, e ainda com um ovo cozido, esfarelado sobre a posta e o molho. Mas Emília Ferreira avisa: “atenção que este prato dá para duas pessoas e nenhuma fica com fome no final”.

Emília Ferreira e o irmão, defendem o Famalicão, com "Bacalhau à Pêga"

Emília Ferreira e o irmão, defendem o Famalicão, com "Bacalhau à Pêga"

Foi a 8 de maio de 1957 que o restaurante Casa Pêga, em Vila Nova de Famalicão, abriu as portas, pela primeira vez, visando servir boa comida minhota. O espaço, lê-se na descrição das redes sociais, é “rústico e simples, sem pretensões que não sejam as de servir fartos e bons pratos típicos”. Emília Ferreira é a timoneira deste restaurante de ambiente e equipa familiar, onde trabalham cinco irmãs e dois irmãos, repartidos pela sala e pela cozinha. No restaurante Casa Pêga (Rua 8 de Dezembro, 2316, Vila Nova de Famalicão. Tel. 252 374 175) recomenda-se vinho verde branco ou maduro, de produção própria, para a acompanhar a refeição e puxar pela vitória do Famalicão.

Rio Ave Futebol Clube - “Arroz de polvo”

Rio Ave Futebol Clube - “Arroz de polvo”

Rio Ave Futebol Clube - “Arroz de polvo”

Rui Filipe, que chegou a calçar as chuteiras e o equipamento do Rio Ave, explica que, para preparar este prato, se começa por “fazer um refogado tradicional, só com cebola, alho e azeite”. O polvo, explica, o agora capitão da Adega do Monte, em Vila do Conde, “é cozido só em água, à parte”. Depois do refogado pronto, “aproveita-se a água onde o polvo cozeu até ficar tenro, e adiciona-se o arroz”. Quando está quase a “ficar no ponto”, relembra Rui Filipe, “coloca-se no tacho o polvo para uma última cozedura e serve-se numa travessa de barro”. Para ficar perfeito, o “Arroz de polvo” (€15) é ainda decorado com alecrim, que dá aroma ao prato.

Rui Filipe ataca com o "Arroz de polvo"

Rui Filipe ataca com o "Arroz de polvo"

A Adega do Monte foi fundada em 1946. Era uma tradicional tasca e mercearia. Em 1980 passou a café e mercearia, sob a gerência de Paulino Azevedo, pai do atual proprietário, Rui Filipe, ex-jogador do Rio Ave. Aliás, o edifício está ligado à história do clube, uma vez que foi na casa por cima do restaurante que nasceu a 23 de agosto de 1959 aquele que é considerado o melhor jogador do Rio Ave Futebol Clube de todos os tempos, Joaquim Carvalho de Azevedo, mais conhecido como Quim Vitorino. Atingiu a glória no Futebol Clube do Porto, com a conquista de vários campeonatos nacionais, Taças de Portugal, a Supertaça Europeia, a Taça Intercontinental e a Taça dos Campeões Europeus, na noite de 27 de maio de 1987, em Viena, diante do Bayern de Munique. Rui Filipe conta a história deste restaurante com paixão, até porque, também ele, foi jogador da formação do Rio Ave, entre os 6 e os 12 anos, abandonando a carreira aos 18, devido a uma lesão. A Adega do Monte (Rua das Donas, 2, Vila do Conde. Tel. 966 716 309) encerra à segunda-feira.

O Prato Forte da Jornada é uma iniciativa Boa Cama Boa Mesa, com o apoio da Betclic, que ao longo de toda a temporada vai colocar em confronto as receitas tradicionais das regiões dos clubes que disputam a Primeira Liga de Futebol. Para a semana saiba que pratos representam a gastronomia do Marítimo e do Futebol Clube do Porto.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!