Boa Mesa

Na antiga casa da Real Companhia Velha há um novo restaurante para viajar à boleia de sabores sublimes e memórias

17 novembro 2022 12:10

Da beira-mar às montanhas do interior, o restaurante da Casa da Companhia navega pelos melhores ingredientes nacionais casados com nobres referências vínicas, ou não fosse esta uma casa que desde sempre respirou Porto e Douro.

17 novembro 2022 12:10

Entre estas grossas paredes de pedra, na hoje movimentada Rua das Flores viveu a Real Companhia Velha. Diz-se, até, que aqui terá começado a ser desenhada a primeira demarcação vitivinícola do mundo, a do Douro. O edifício secular transformou-se em hotel de charme respeitando a memória, a ligação aos socalcos durienses e alberga hoje um novo restaurante que segue a mesma matriz. A ementa alude a memórias, cruza tradições e influências com base em ingredientes bem portugueses, vestidos de sofisticação e com um toque de viagens exóticas que marcam a experiência do chef por diversas cozinhas.

Uma jornada por sabores sublimes, jogos de cores e memórias, sejam elas bebidas dos livros de história ou contemporâneas, conduzida pelo chef Duarte Batista. A inspiração parte de tudo e de todos os que me rodeiam, de momentos em família, de viagens por este País e claro, também dos chefs com que trabalhei ao longo desta maravilhosa viagem”, descreve, detalhando que em cada prato se pretende revelar “o melhor que o nosso País tem para oferecer, a qualidade dos produtos, da costa ao montado”, de onde provém carnes de grande qualidade criadas ao ar livre e de forma sustentável. O toque exótico das especiarias, aludindo à época dos descobrimentos, marca também presença, - o cardamomo, o cravinho, a paprika, o caril e a canela - a par dos aromas cítricos, da lima, do gengibre e da lemon grass.

Tártaro de carabineiro, abacate e coco

Tártaro de carabineiro, abacate e coco

Das memórias da infância passada no Fundão traz o sabor intenso dos refogados e assados da mãe, no forno a lenha, logo após a avó cozer o pão. “Não nos podemos esquecer das nossas raízes nem dos sítios por onde passamos”, considera. Do Alentejo, onde esteve na cozinha do L’AND Vineyards, trouxe também abundantes influências e a certeza de que a “estrela” está longe de ser o seu principal objetivo. O foco do restaurante aberto no início de setembro é “fazer comida prazerosa, que as pessoas apreciem e criar memórias”.

Na pequena e sofisticada sala, decorada em quentes tons de laranja, com espaço para duas dezenas de comensais, prove o “Tártaro Barrosã”, de novilho barrosã, gema de ovo trufada, parmesão (€27); “Ovo e Ervilha”, ovo a baixa temperatura, ervilha, hortelã, goma de parmesão (€16), o “Tártaro de Carabineiro”, abacate, coco, tomate (€48), o “Lavagante” em manteiga de citrinos, puré e pickles de cenoura, molho de caril e cenoura (€38) ou a “Sopa da Nossa Costa”, sopa de peixes, salmonete e robalo, vieira, gamba do Algarve, algas, pó de azeite (€21), que preenchem o capítulo dedicado às entradas.

Duarte Batista destaca como ingredientes de eleição “o Carabineiro, Linguado, Lavagante e o Salmonete. Curioso, vindo eu do interior do país, as escolhas recaírem em produtos do mar. O motivo é simples: é muito prazeroso para mim cozinhar algo muito delicado, a precisão do tempo de cozedura, a delicadeza do produto e, em simultâneo, a explosão de sabor a mar que nos fica na boca”.

Restaurante Casa da Companhia

Restaurante Casa da Companhia

Nos principais, do mar chegam o “Polvo”, coulis de pimentos e alho, tomate, arroz de polvo cremoso e crocante (€30), o “Salmonete Braseado”, knodel de coentro, berbigão, lima caviar, legumes bio (€34), o “Linguado a Baixa Temperatura”, terrina de lagostins, curgete, puré de couve flôr, cevadinha de lagostim (€32).

Também nas carnes destacam-se pratos ligados diretamente à cozinha portuguesa. É o caso da “Barriga de Porco” a baixa temperatura, batata-doce, cebolete, gel de ananás dos açores (€30), do “Novilho”, foie gras, cuscos de vinhais, tomate (€38) e do “Magret de Pato”, puré de ervilha, cenoura, amendoim (€32).

Há ainda uma secção dedicada a pastas e vegetarianos onde constam pratos plenos de sabor como o “Cevadotto” de açafrão, “bife” de couve-flor (€24); o “Lavagante”, fregola sarda, lima e gengibre, telha de lavagante, coulis de pimento assado, maionese de coentros, berbigão (€49) e “Gnoochis” de beterraba, caril verde de manjericão, legumes bio (€26).

Chocolate, avelã e fava tonka

Chocolate, avelã e fava tonka

Ainda antes da sobremesa, atente à apurada seleção de queijos onde figuram exemplares nacionais de queijos de ovelha, cabra e vaca, para saborear com tostas de pão de azeitona, gressinos, e compota de figo (€16).

Nos doces, é difícil escolher entre o “Chocolate e Avelã” (Chocolate 74%, Crocante de Praliné de Avelã, Mousse de Fava Tonka, Gel de Canela, Sorbet de Chocolate Negro) (€15); a “Maçã e Baunilha de Bourbon”, tartelete de amêndoa, ganache de chocolate branco e maçã verde, gengibre, gelado de baunilha (€12) e a “Lichia e o Cocktail”, ravioli de lichia, morango, granizado de manjericão, shot de eucalipto e flor de sabugueiro (€18).

O restaurante da Casa da Companhia (Rua das Flores, 69, Porto. Tel. 229 761 020) está aberto todos os dias das 19h30 às 22h30, exceto às terças e quartas-feiras, dias de encerramento.

Chef Duarte Batista

Chef Duarte Batista

Boutique hotel em edifício secular

A Casa da Companhia é um boutique hotel de cinco estrelas, inspirado no património histórico da Real Companhia Velha, uma das mais antigas e prestigiadas companhias produtoras do vinho do Porto. Localizado num edifício com três séculos, junta história, conforto e qualidade em cada um dos seus 40 quartos, dos quais 10 são suítes.

Sobre o hotel pode ler-se no texto do guia Boa Cama Boa Mesa 2022: “Construído no século XVI pela família do mercador nobre portuense Brás Brandão, este edifício foi alugado pela Companhia Geral de Agricultura das Vinhas do Alto Douro, atualmente conhecida como Real Companhia Velha, no século XVIII. Desde julho, é um acolhedor e elegante boutique hotel, com decoração de interiores assinada por Paulo Lobo. No total, tem 40 quartos, entre os quais 10 suítes, e conta ainda com um bar, um Spa, com piscina interior aquecida, banho turco, sauna, massagens e ginásio, e uma piscina exterior no terraço, com vista para a Sé. Nacionais são também as louças, da Vista Alegre, e as roupas de cama, da Lameirinho”.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!