SER

Filipa Saldanha é a nova cara da sustentabilidade do Crédito Agrícola

5 novembro 2022 16:20

Antes de vir liderar a sustentabilidade no Crédito Agrícola, Filipa Saldanha era diretora adjunta do Programa Gulbenkian Desenvolvimento Sustentável.

5 novembro 2022 16:20

Os bancos já colocaram definitivamente a sustentabilidade na agenda e estão a redesenhar as estruturas de chefias para colocar a sustentabilidade no topo da hierarquia. Depois de o Banco BPI ter ido buscar Cristina Casalinho para ser diretora executiva de sustentabilidade, agora foi a vez do Crédito Agrícola anunciar a contratação de Filipa Saldanha para o cargo de diretora de Sustentabilidade.

Antes de se juntar ao Crédito Agrícola, Filipa Saldanha desempenhava funções na Fundação Calouste Gulbenkian como diretora adjunta do Programa Gulbenkian Desenvolvimento Sustentável, tendo a seu cargo todos os projetos e parcerias de sustentabilidade da Fundação relativos à ação climática, transição energética justa, valorização e proteção do oceano e produção e consumo sustentáveis.

Num comunicado enviado ao Expresso, o Crédito Agrícola revela que a nova diretora ficará responsável pela definição da estratégia, incluindo a transformação do modelo de negócio, em linha com os valores de sustentabilidade.

Filipa Saldanha, por seu lado, afirma que assume “a missão do grupo de servir o propósito mais elevado do sistema financeiro, o de fazer crescer uma economia competitiva e acelerar o progresso social, em coerência com os limites planetários e com os princípios de uma sociedade justa”. E lembra a capilaridade da rede de balcões do Crédito Agrícola para garantir que vai aplicar os critérios ESG (Environmental, Social and Corporate Governance ) a todas as unidades de negócio do grupo, prometendo uma relação próxima com as comunidades locais.

Saldanha iniciou a carreira como economista no Harte Research Institute (EUA), no qual participou em projetos de economia ambiental, tendo passado pelo IESE Business School (Espanha) em projetos nas áreas de macroeconomia e finanças, e pela COTEC Portugal como consultora financeira.

Os maiores bancos na Europa já começaram a ser sujeitos a testes de stress por parte do Banco Central Europeu para saber se o modelo de negócio e a carteira de crédito resistem a cenários extremos, por exemplo, a crises climáticas. Tal como o Expresso já noticiou, muitas instituições financeiras já estão a travar o crédito a empresas que não cumprem os critérios ESG.