Tecnologia

Apple e Google aguardam 'ok' do governo português para lançar app de rastreio de contactos

11 junho 2020 17:39

A aplicação portuguesa StayAway está em fase de testes, mas o executivo ainda não lhe deu o selo de oficial.

11 junho 2020 17:39

Governo ainda não fez da StayAway a aplicação oficial portuguesa de combate ao novo coronavírus. António Costa já disse que, como cidadão, a usará

Governo ainda não fez da StayAway a aplicação oficial portuguesa de combate ao novo coronavírus. António Costa já disse que, como cidadão, a usará

nurphoto

As duas tecnológicas norte-americanas estão apenas à espera do 'Ok' do governo português para avançarem com o lançamento de uma aplicação nacional de rastreio de contactos nas suas lojas de aplicações (AppStore e Google Play). A informação foi confirmada ao Expresso por fontes das duas empresas ligadas ao processo.

Nos últimos meses, Apple e Google ajudaram as autoridades de saúde de vários países, incluindo Portugal, na criação de apps móveis de contact tracing, desenvolvidas para o combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus. Neste momento são vários os países que já lançaram sistemas de notificação do género, incluindo o italiano Immuni na segunda-feira. Este será um dos mais parecidos com o nacional.

A aplicação portuguesa StayAway — que vai rastrear contactos entre pessoas e alertar aquelas que tiverem estado em contacto com um infetado com a doença covid-19 — está em fase de “testes de escala crescente”. Neste momento está a ser testada “com uma centena de pessoas”, antes de se “avançar com um piloto regional ou societal (ainda não definido)”, como explicou o administrador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) Rui Oliveira.

Até ao momento, o Governo não anunciou oficialmente o seu apoio a esta aplicação, mas o primeiro-ministro já veio mostrar a sua disponibilidade para a utilizar “sem dramas” — e o Expresso sabe que a solução tem ganho força desde que Apple e Google confirmaram que só trabalhariam com um interlocutor por país.

No final do mês passado, na conferência de imprensa do Conselho de Ministros, António Costa garantiu: “Não como primeiro-ministro, mas como cidadão, posso dizer que, se e quando existir essa aplicação, descarregá-la-ei para o meu telemóvel e autorizarei que, se estiver infetado, as pessoas que estiverem nas minhas proximidades sejam informadas”.

Da mesma forma, vários deputados e antigos políticos têm admitido instalar a StayAway – com o antigo líder do PSD e comentador da SIC Luís Marques Mendes à cabeça, a insinuar que esta aplicação deverá começar a ser utilizada este mês e que contará com o carimbo do Governo.