Exclusivo

Sociedade

Tribunal considera que Fábio era “particularmente indefeso”, a defesa dos agressores diz estar provado que não sabiam que a vítima era PSP

Polícias prestaram uma última homenagem ao agente Fábio Guerra
Polícias prestaram uma última homenagem ao agente Fábio Guerra
filipe brás

A juíza Helena Susano comunicou aos arguidos alterações “não substanciais” dos factos e há uma que muda o rumo da história: Vadym Hrynko e Cláudio Coimbra serão condenados por terem matado uma “pessoa particularmente indefesa” o que, para a defesa, demonstra que o tribunal dá como provado que não sabiam que era polícia, ao contrário do que o Ministério Público sempre defendeu

Para a defesa de Cláudio Coimbra, as alterações dos factos comunicadas pelo tribunal são “inqualificáveis” e, “substanciais” ao contrário do que a juíza Helena Susano comunicou oralmente na última sessão do julgamento que tem a leitura do acórdão marcada para 29 de maio, depois de a magistrada ter referido o que entende serem “alterações não substanciais”.

Artigo Exclusivo para assinantes

Assine já por apenas 1,63€ por semana.

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: RGustavo@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas