Sociedade

Ministro não vê razão para vedar às universidades privadas cursos de medicina

17 janeiro 2023 13:29

Universidade Fernando Pessoa recebeu autorização da Agência de Avaliação do Ensino Superior para abrir um mestrado integrado em Medicina. Depois da Católica, é a segunda instituição privada a conseguir oferecer este curso

17 janeiro 2023 13:29

O ministro da Saúde considerou hoje que “não há nenhuma razão” para que seja vedada às universidades privadas a abertura de cursos de Medicina e disse ver com “bons olhos” a abertura de novos cursos no ensino público.

“Não há nenhuma razão para que esteja vedada às universidades privadas a abertura de cursos de Medicina. Mas também vejo com muito bons olhos a possibilidade de haver novos cursos públicos, sobretudo em localizações onde a presença desses cursos pode ajudar a atrair profissionais no futuro”, afirmou.

O governante, que falava à saída da sessão comemorativa dos 30 anos do Infarmed, em Lisboa, respondia a perguntas dos jornalistas a propósito da autorização pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) de um curso de Medicina na Universidade Fernando Pessoa, no Porto, noticiada pelo jornal Público.

Segundo o jornal, trata-se de um mestrado integrado de seis anos que “funcionará em ligação com hospital que a instituição tem em Gondomar”.

A decisão, segundo o jornal, foi tomada no final da semana passada e ainda não foi oficializada.

Este será o segundo curso de medicina autorizado numa universidade privada, depois do curso da Universidade Católica Portuguesa.

Quanto à necessidade de coordenar as especialidades com as necessidades existentes nos serviços públicos de saúde, o ministro afirmou: “A formação pré-graduada é de natureza generalista, só depois, na pós-graduada, é que faremos um esforço para dotar os serviços da maior capacidade possível de atrair jovens para as profissões da saúde”.

Sobre a possibilidade de novos cursos de medicina nas universidades públicas, Pizarro disse que tal “está em estudo em várias regiões do país”, apontando como exemplo Évora, Vila Real e Aveiro e sublinhando: “O ministro da Saúde veria com muito bons olhos se essa perspetiva se concretizasse”.