Sociedade

O tempo passado ao telefone de casa caiu para metade, mas isso não significa que nos desligámos uns dos outros: ligamo-nos é de outra forma

31 dezembro 2022 12:22

Raquel Albuquerque

Raquel Albuquerque

textos

Jornalista

Carlos Esteves

Carlos Esteves

infografia

Infográfico

Este texto tem todas as informações que precisa de reter sobre como falamos ao telefone, ao telemóvel, por mensagens escritas SMS ou via WhatsApp. E há dados que o poderão surpreender e ficam aqui dois: o uso do telefone fixo caiu para metade em seis anos e os mais velhos entre nós adaptaram-se às novas tecnologias de envio de mensagens escritas por WhatsApp e até Google Hangouts

31 dezembro 2022 12:22

Raquel Albuquerque

Raquel Albuquerque

textos

Jornalista

Carlos Esteves

Carlos Esteves

infografia

Infográfico

Quase todas as famílias em Portugal têm telefone fixo em casa. Mas a situação mais comum é não saberem o número de cor, não se lembrarem da última vez que o ouviram tocar, já o terem guardado numa gaveta ou então usarem-no apenas em situações urgentes ou para descobrirem onde deixaram o telemóvel. Aos olhos da geração mais nova, o telefone fixo já é mesmo um aparelho antiquado, quase tanto como os que tinham auscultador ou um disco para marcar o número. Tal como as cabinas públicas que já entraram em extinção, os fixos estão mesmo a cair em desuso. E apesar de os portugueses os terem usado mais durante os confinamentos, há já duas décadas que o tempo passado ao telefone de casa está a diminuir. Só nos últimos seis anos caiu para metade.

A transição do fixo para o telemóvel deu-se sobretudo a partir de 2005, quando os minutos de conversa através do telefone portátil superaram os do telefone de casa. As estatísticas trimestrais da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) mostram que o tráfego a partir da rede fixa caiu de 1,4 mil milhões de minutos no terceiro trimestre de 2016 para 770 milhões no mesmo período deste ano. No entanto, como os telefones fixos vêm incluídos nos contratos com as operadoras de telecomunicações, 96% das famílias têm um em casa e o número continua a crescer. “O crescimento registado está associado à continuada penetração das ofertas em pacote que integram telefonia fixa”, lê-se num dos relatórios estatísticos da Anacom.