Sociedade

Proteção Civil avisa para risco de inundações e deslizamentos de terras

23 dezembro 2022 16:11

antónio pedro santos/lusa

Agravamento das condições meteorológicas pode ainda dar origem a cheias (devido ao transbordo de rios e ribeiras), arrastamento para as estradas de objetos e estruturas móveis por causa do vento e a formação de lençóis de água que condicionem a circulação rodoviária

23 dezembro 2022 16:11

A Proteção Civil alertou esta sexta-feira para possíveis inundações e deslizamentos de terras face às previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) de chuva, vento forte e agitação marítima para os próximos dias.

Segundo uma nota da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o agravamento das condições meteorológicas pode ainda dar origem a cheias (devido ao transbordo de rios e ribeiras), arrastamento para as estradas de objetos e estruturas móveis por causa do vento e a formação de lençóis de água que condicionem a circulação rodoviária.

Com base na informação adiantada pelo IPMA, a chuva deve ser sentida neste fim de semana de forma mais intensa na região Norte, sobretudo no Minho e Douro Litoral, com o Centro a ser também afetado no domingo.

Já o vento pode traduzir-se em rajadas com mais de 40 km/h a partir da tarde de dia 24 (sábado) no litoral oeste e nas terras altas mais a Sul, mas pode chegar a rajadas de 80 km/h nas terras altas de Norte e Centro.

Por último, a agitação do mar será mais forte na madrugada de dia 25, entre a meia-noite e as 06:00 de domingo, com ondas até quatro metros de altura na costa a norte do cabo Mondego.

"A ANEPC recorda que o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, e em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis, se recomenda a observação e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações", pode ler-se no aviso.

Nesse sentido, a Proteção Civil apela à desobstrução dos sistemas de escoamento das águas e à fixação de estruturas suspensas ou amovíveis, além de uma maior precaução na circulação junto a áreas arborizadas e zonas ribeirinhas.

É também recomendada a adoção de uma condução mais defensiva e que não se pratiquem atividades ligadas ao mar, nomeadamente pesca, desportos náuticos ou passeios à beira-mar.