Sociedade

Há maternidades que podem encerrar definitivamente já a partir de 2023, avisa diretor-executivo do SNS

Há maternidades que podem encerrar definitivamente já a partir de 2023, avisa diretor-executivo do SNS
Rui Duarte Silva

Em entrevista à RTP esta quinta-feira, Fernando Araújo admitiu que o plano “temporário” de encerramento de algumas maternidades durante o Natal e o Ano Novo pode mesmo tornar-se definitivo durante o próximo ano

O diretor-executivo do SNS afirmou que há maternidades que podem vir a fechar já a partir do próximo ano. “Algumas poderão vir a ser encerradas”, confirmou Fernando Araújo esta quinta-feira em entrevista à RTP.

“Tudo depende dos dados trazidos por este plano, mas é verdade que no início do ano podemos tomar algumas decisões nesse sentido”, acrescentou Fernando Araújo.

O responsável referia-se ao plano “Nascer em Segurança no SNS”, apresentando na quinta-feira, e que determina o encerramento pontual de alguns blocos de partos entre os dias 23 e 26 de dezembro.

O objetivo é colmatar a falta de profissionais nas escalas das urgências de obstetrícia e de ginecologia durante o Natal. O modelo vai estar em vigor também na passagem de ano, no fim de semana de 30 de dezembro a 2 de janeiro.

A ideia é manter estes encerramentos pontuais pelo menos até março de 2023, mas a medida vai ser avaliada mensalmente e no máximo pode ficar em vigor durante todo o ano.

Para a direção executiva do SNS, esta é uma "abordagem temporária" que pode evitar o fecho absoluto de blocos de partos até que seja possível "inverter o ciclo e captar profissionais" de saúde, lê-se no despacho assinado a 19 de dezembro por Fernando Araújo.

Caso não sejam tomadas medidas, diz o diretor-executivo do SNS, "o mais natural é que se agrave e condicione de forma irreversível" o atendimento às grávidas e recém-nascidos, que já vivem num clima de "ansiedade e receio".

Pode consultar aqui o horário de funcionamento dos serviços de urgência de obstetrícia e ginecologia e dos blocos de partos de todo o país.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: piquete@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas