Sociedade

“Chegam só com passaporte e pedem vacinas e medicação para VIH ou sífilis”: SNS usado por estrangeiros para tratamentos caros grátis

22 dezembro 2022 23:40

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

A PJ está “a investigar alguns casos suspeitos de grávidas estrangeiras que vieram ter o filho a Portugal”

ana baião

As denúncias são feitas por médicos: estrangeiros inscrevem-se só com nome e morada, até de hotel, para terem acesso aos tratamentos em Portugal. A PJ está “a investigar alguns casos suspeitos de grávidas estrangeiras que vieram ter o filho a Portugal”

22 dezembro 2022 23:40

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Nos últimos meses têm-se repetido os casos de mulheres grávidas estrangeiras que não vivem em Portugal e que chegam a hospitais e maternidades apenas para a realização do parto. O fenómeno foi identificado pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e acabou nos braços da unidade de contraterrorismo da Polícia Judiciária (PJ), que tem ficado com os dossiês sensíveis relacionados com casos de imigração suspeitos, devido ao fim anunciado do SEF.

Ao Expresso, fontes do SEF explicaram que chegaram a desconfiar da existência de redes hindostânicas que fariam chegar a Portugal estas mulheres, a troco de contrapartidas financeiras, com o objetivo de aproveitarem a gratuitidade do SNS e posterior legalização através do nascimento do filho. É um dado que está a ser investigado pelos inspetores da PJ, face à existência de “alguns casos” de grávidas daquela região da Ásia a surgirem nos blocos de partos. Porém, ao Expresso, uma fonte judicial garante que por agora não está confirmada a existência de redes. “Estamos a investigar alguns casos suspeitos de grávidas estrangeiras que vieram ter o filho a Portugal mas, neste momento, ainda não podemos falar em evidências de redes organizadas que as tragam para o nosso país.”