Sociedade

Trans: esconderam barbies, quiseram reprimi-la, mas o menino sentia-se menina. Agora a professora chama-a pelo nome Maria e todos a aplaudem

20 novembro 2022 8:27

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

textos

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

fotos

Fotojornalista

INCLUSÃO Maria, menina trans de nove anos, ensaia uma pose de dança em cima da cama, quer ser estilista de moda quando for grande; às outras meninas e meninos trans deixa o conselho: “Não desistam!”

Falta pouco para a discussão do projeto de lei que estabelece medidas a aplicar em ambiente escolar. As histórias de Maria, Amanda e Bernardo, crianças e jovens trans, marcam um tempo e uma sociedade que encara a diferença

20 novembro 2022 8:27

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

textos

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

fotos

Fotojornalista

Foi como um murro no estômago. À mesa, Paulo, de 43 anos, foi confrontado com um pedido do filho, de 3 anos, visto na altura por todos como um rapaz, a quem fora atribuído o género masculino à nascença: “Pai, queria ser menina!” Seguiram-se longas conversas, convicções de que seria uma fase, tentativas para que passasse a brincar mais com o pai e menos com a mãe e irmã mais velha. Esconderam-se as Barbies e os disfarces de sereia e princesa. Vieram os super-heróis e bonecos musculosos. De nada serviu. A mãe, Cristina, engenheira técnica de segurança, recorda quando um dia chegou a casa e viu o marido com uma capa de super-homem na cabeça a fazer de cabelo e os super-heróis vestidos com roupas de boneca. “Ela deu a volta à situação e feminilizou o pai e os bonecos. Tentámos reprimi-la, mas percebemos que estávamos a criar infelicidade na nossa criança.” Perdidos, estes pais pediram ajuda especializada. Depois de consultas e testes, confirmaram ser pais de uma menina trans quando ela completara 5 anos. Quem lhes comunicou foi a médica pedopsiquiatra Maria Laurea­no, a trabalhar no Hospital Pediátrico de Coimbra, com larga experiência em crianças transgénero, que identificou a “disforia de género” de Maria. “Tornou-se claro que esta criança, considerada do género masculino de acordo com o sexo biológico, tinha uma identidade de género feminina. Havia uma incongruência entre o que ela sabia ser e o que os outros viam nela. Ao contrário do que alguns pensam, é possível em idades precoces detetar diversidade de género ou uma identidade trans.” A pedopsiquiatra esclarece os riscos que envolvem estas crianças e jovens quando não são validadas pelo género com que se identificam. “Em crianças pequenas, começam a surgir quadros de perturbação depressiva e ansiedade social. Na adolescência é mais grave. Quando são discriminadas e invalidadas, há um grande risco suicidário, pior qualidade de saúde mental e surgimento de quadros psiquiátricos.”

Dos 5 aos 7 anos, Maria iniciou gradualmente a transição social de género em Aveiro, cidade onde reside. Foram precisas várias reuniões com o diretor da escola, professores e auxiliares, tanto na escola como nas duas escolas de dança que Maria frequentou, para que fosse tratada pelos pronomes femininos e nome social que escolhera e que nas pautas e documentos oficiais constasse o novo nome. O mais desafiante foi conseguirem que na documentação escolar deixasse de constar o antigo nome de menino. “Não foi má vontade da escola, mas desconhecimento”, sublinha a mãe. “Tirámos dúvidas, explicámos tudo, apoiando-nos em relatórios médicos, em guias da associação AMPLOS e na Lei 38/2018”, esclarece o pai. No dia em que a professora chamou Maria à criança, na sala de aula todos a aplaudiram. Maria não esquece esse dia: “Senti-me bem. E digo aos outros como eu que não desistam.”