Sociedade

Polícia Municipal de Lisboa “corre risco de existência” a partir de 2024, alerta comandante

19 setembro 2022 9:05

horacio villalobos

A Polícia Municipal de Lisboa corre “o risco de não ter efetivos suficientes” para se manter a partir de 2024, alertou o superintendente Paulo Caldas

19 setembro 2022 9:05

O superintendente Paulo Caldas, que comanda a Polícia Municipal de Lisboa há sete anos, alerta que a força que dirige “corre risco de existência” a partir de 2024, se o estatuto da PSP for aplicado sem qualquer medida travão.

“Em 2024, corro o risco de não ter efetivos suficientes para manter a Polícia Municipal. Ou seja, a partir do próximo ano, começa a tornar-se crítico”, afirma Paulo Caldas, numa entrevista publicada na edição desta segunda-feira do Diário de Notícias.

O comandante da Polícia Municipal afirma ter atingido o pico de efetivos em 2018, “com 588 pessoas”, mas a partir daí começou a queda. Atualmente, conta com “452 efetivos” e há previsões de que “no final deste ano ou de 2023 possa chegar aos 250/300 homens”.

“Se o estatuto de pessoal da PSP for aplicado e não houver anualmente uma medida travão, como tem existido, a Polícia Municipal corre risco de existência a partir de 2024”, alerta.

Paulo Caldas assume que, “apesar da modernização na Polícia Municipal de Lisboa, a par com o reforço de meios operacionais e competências, verifica-se um declínio gradual do número de efetivos”.

Atualmente, a polícia tem um “défice de 160 elementos relativamente ao quadro orgânico de 600 efetivos”, o que limita a intervenção e visibilidade deste força na cidade.

O decréscimo de agentes deve-se essencialmente ao facto de muitos se terem reformado e “não terem sido substituídos”.

Na entrevista, o superintendente que foi nomeado no tempo de Fernando Medina e continuou com Carlos Moedas destaca o trabalho de proximidade desenvolvido pela instituição que dirige, indicando que no caso do bairro Padre Cruz as três coisas que verificou causarem mais insegurança às pessoas eram “os cães que andavam sem trela, as viaturas abandonadas e a falta de iluminação”.