Sociedade

Seis agressões por dia a polícias desde o início do ano

1 setembro 2022 8:22

josé sena goulão/lusa

Dirigentes dos sindicatos defendem que as imagens que circulam mais facilmente nas redes sociais acabam por “condicionar a atuação dos agentes no exercício da autoridade"

1 setembro 2022 8:22

Mais de seis agentes da PSP e da GNR foram agredidos, em média, diariamente em 2022. De acordo com o “Jornal de Notícias”, até agosto verificaram-se 1325 agressões em serviço. Os dirigentes dos dois principais sindicatos daquelas forças - Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e Associação dos Profissionais da Guarda (APG) - acreditam que a violência vai aumentar, porque a sociedade está mais agressiva.

“Há pessoas que, sentindo-se impunes, acusam os guardas do uso excessivo da força, quando o que se passa é o contrário”, defende o dirigente da APG, César Nogueira. O presidente da ASPP/PSP, Paulo Santos, considera que “os agentes se retraem, pois sabem que estão a ser filmados e que a sua atuação nem sempre é bem interpretada. Tanto são criticados se a força aplicada parecer excessiva, como se for tida como frouxa”.

As imagens que circulam nas redes sociais (tanto de casos em que policiais são agredidos ou casos em que as autoridades surgem como alegados agressores) acabam por “condicionar a atuação dos agentes no exercício da autoridade", referem.

A taxa de suicídio nas polícias é de 16,3 por cada cem mil habitantes, contra os 9,7 da população em geral. Miguel Rodrigues, polícia e autor de um estudo sobre este fenómeno, revelou, em declarações ao Expresso, que uma das causas para esta taxa seja quase o dobro nos polícias é “o acesso fácil às armas. Mas principalmente o impacto negativo de uma profissão em que se tem de lidar diariamente com violência. A PSP não dota os profissionais de meios para combater os efeitos negativos dessa exposição”.