Sociedade

Empresários do sector da pirotecnia culpam autarquias por dificultarem a retoma da atividade

Empresários do sector da pirotecnia culpam autarquias por dificultarem a retoma da atividade
Ray Hennessy/Unsplash
As encomendas no sector estão já aos níveis dos anos anteriores à pandemia, mas os empresários queixam-se das restrições impostas e lamentam "centenas" de espetáculos de fogo de artifício travados

A recuperação da atividade da pirotecnia em Portugal não está a correr, de acordo com o “Jornal de Notícias”, como os empresários esperavam. As encomendas de comissões de festas de todo o país estão já aos níveis dos anos anteriores à pandemia, mas restrições do Governo travam espetáculos.

As câmaras municipais têm agora a competência de licenciar os espetáculos de fogo de artifício e, por isso, os empresários culpam as autarquias de não ajudar à retoma da atividade de pirotecnia em Portugal.

“Há dezenas de espetáculos de festas recusados por autarquias. Quase arriscava dizer que são centenas. Se incluirmos os que foram cancelados por decreto governamental, quando são lançados os alertas, são certamente centenas”, afirma o membro da direção da Associação Nacional de Empresas de Pirotecnia e Explosivos (ANEP) e empresário do sector, Pedro Gonçalves.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: piquete@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas