Sociedade

Sinistralidade Rodoviária: número de acidentes, feridos e mortes nas estradas portuguesas disparou nos primeiros quatro meses do ano

29 julho 2022 10:38

horacio villalobos

Até abril, foram registados 132 vítimas mortais, 689 feridos graves e 11 137 feridos ligeiros em mais de nove mil acidentes com vítimas. Números aumentaram significativamente relativamente a 2021, quando ainda se sentiam "quebras na circulação rodoviária devido à pandemia"

29 julho 2022 10:38

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) divulgou esta sexta-feira o relatório sobre sinistralidade rodoviária relativo aos primeiros quatro meses de 2022. Até abril, foram registados 9.618 acidentes com vítimas, dos quais resultaram 132 vítimas mortais, 689 feridos graves e 11.137 feridos ligeiros.

Comparativamente ao mesmo período do ano passado, verificam-se aumentos significativos em todos os principais indicadores no continente: mais 2.626 acidentes (+39,9%), mais 56 vítimas mortais (+75,7%), mais 188 feridos graves (+42,0%) e mais 3.272 feridos leves (+44,0%). Contudo, nos primeiros quatro meses de 2022 "ainda se verificaram quebras na circulação rodoviária devido à pandemia COVID-19."

Por outro lado, a ANSR destaca que em relação a 2019, "ano que a Comissão Europeia considerou como o ano base de referência para efeitos da avaliação da evolução da sinistralidade rodoviária durante a presente década", registou-se uma redução em todos os parâmetros principais. Houve menos 1.594 acidentes (-14,2%), menos 48 vítimas mortais (-26,7%), menos 30 feridos graves (-4,2%) e menos 2.353 feridos leves (-17,4%).

Abril foi o mês com maior número de acidentes e feridos registados. Janeiros foi o mês em que morreram mais pessoas nas estradas portuguesas (40). A maior parte dos acidentes ocorreu às sextas-feiras e no período da tarde (entre as 12h e 18h). A esmagadora maioria dos sinistros continua a ocorrer quando está bom tempo e dentro das localidades.

O documento conclui que colisão foi o tipo de acidente mais registado e que a maioria das vítimas mortais eram condutores. Os automóveis ligeiros são os tipos de veículo mais frequentemente envolvidos em acidentes.

No primeiro quadrimestre do ano, foi registada uma diminuição de quase todos os tipos de infração, especialmente a utilização do telemóvel (menos 20,2%) e ausência de inspeção periódica (que caiu 16,8%). "Contudo, a condução sob efeito de álcool evidenciou um aumento muito expressivo (+124,4%), mas em grande parte como consequência da queda acentuada do ano anterior", indica a ANSR. O excesso de velocidade continua a ser a infração mais comum (54,5% do total registado).

Em quatro meses terão sido cassadas 213 cartas de condução.