Sociedade

“Isto é apenas o princípio”: o colossal Webb é a “melhor possibilidade” para “identificar planetas habitáveis”

16 julho 2022 17:25

A Nebulosa Carina, à distância de 7600 anos-luz, é um berço de gás e poeira onde milhares de estrelas estão a nascer

nasa, esa, csa, stsci

Cientistas vão usar o revolucionário telescópio para estudar o nascimento de estrelas, a atmosfera de exoplanetas e os “fósseis” do Sistema Solar

16 julho 2022 17:25

Um grande espetáculo para o ser humano e um salto de gigante para a compreensão dos fascinantes mistérios do cosmos. Assim podem ser descritas as cinco primeiras imagens obtidas pelo James Webb. Eis o nome do maior, hipersensível e mais potente telescópio espacial alguma vez concebido, capaz de observar até 200 estrelas, planetas ou galáxias ao mesmo tempo.

Trata-se de uma autêntica máquina do tempo, desenhada para captar a radiação infravermelha invisível para os nossos olhos, o que lhe permite focar até 13,5 mil milhões de anos-luz de distância para retratar um universo recém-nascido, quando as primeiras estrelas e galáxias se começaram a formar, 300 milhões de anos após o Big Bang.