Sociedade

Governo extingue SEF daqui a um ano, sindicato diz que funcionários “estão aos papéis”

10 julho 2022 22:15

Hugo Franco

Hugo Franco

texto

Jornalista

Marta Gonçalves

Marta Gonçalves

texto

Jornalista

Várias fontes asseguram que o prazo de vida do SEF é de “seis meses a um ano”

tiago miranda

Maioria dos inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras vai rumar à Polícia Judiciária. Sindicatos garantem não ter qualquer informação sobre a reestruturação deste serviço de segurança

10 julho 2022 22:15

Hugo Franco

Hugo Franco

texto

Jornalista

Marta Gonçalves

Marta Gonçalves

texto

Jornalista

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) está mesmo à beira do fim. O Expresso apurou junto de várias fontes próximas do processo de reestruturação deste serviço de segurança que o prazo de vida do SEF é de “seis meses a um ano”. Ou seja, este serviço de segurança “termina no início de 2023”, ou, “no máximo, poderá extinguir-se no próximo verão”, salienta uma das fontes contactadas.

No processo de transferência de efetivos para outras forças e serviços de segurança, está previsto, de acordo com as mesmas fontes, que a maioria dos inspetores vá para os quadros da Polícia Judiciária. Há duas semanas, no Parlamento, durante as audições sobre a reestruturação do SEF, Luís Neves, o diretor nacional daquela polícia, garantiu que a PJ está em condições de receber as pessoas da investigação criminal do SEF “com toda a dignidade”. “Sabemos que vão chegar traumatizadas, mas vamos levantar o moral delas.” E adiantou: “Gostaríamos de ver ingressar as que estiveram nos últimos três anos nos cursos do SEF, sem desprimor para os mais velhos.”