Sociedade

“Não sei como ser recordado, só o poderei dizer depois da morte. O que me parece bastante difícil”: grande entrevista a Siza Vieira

5 junho 2022 16:04

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

texto

Jornalista

Rui Oliveira

fotos

Fotojornalista

Prestes a completar 89 anos, o arquiteto Álvaro Siza Vieira defende habitação social com qualidade para todos e constata estar a ser subaproveitado pelo país

5 junho 2022 16:04

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

texto

Jornalista

Rui Oliveira

fotos

Fotojornalista

É uma das maiores figuras da arquitetura mundial e um dos mais premiados de todos os tempos. Há 30 anos, Siza Vieira foi o primeiro arquiteto português a receber um Pritzker, considerado o Nobel da arquitetura. Pode mesmo dizer-se que Siza reescreveu a história da arquitetura projetando-a para o futuro. A um mês de completar 89 anos, Álvaro Siza Vieira faz um balanço do percurso, critica o estado de agonia da profissão, e lamenta não estar a deixar mais obra relevante no país.

Antes de se tornar arquiteto, sonhou ser escultor. Fazer arquitetura é também uma forma de esculpir um edifício, um lugar ou uma cidade?

Sim. Entre as várias formas de arte há uma relação muito estreita. A arquitetura tem muito a ver com a escultura, a pintura, a música, o cinema...