Sociedade

Desmantelada rede que enganava vítimas com “cartas da Nigéria”: PJ deteve 16 suspeitos e apreendeu dezenas de milhares de documentos

3 maio 2022 11:57

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

A PJ já desmantelou o grupo violento Foto: Jcornelius

Negócio ilegal de burla em larga escala estendia-se aos EUA, Reino Unido, Espanha. Em Portugal foram detidos 16 suspeitos

3 maio 2022 11:57

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

O esquema das “cartas da Nigéria” é já antigo, mas continua a fazer vítimas. Desta vez, um grupo criminoso espalhado por vários países enviava em larga escala cartas para diversos países, redigidas em variadas línguas e supostamente remetidas por escritórios de advogados, invocando a existência de uma herança de que as vítimas seriam beneficiárias, na ordem dos vários milhões de euros, devido ao falecimento de um seu familiar, residente em Portugal.

Após resposta à carta, era solicitado às vítimas, maioritariamente idosos, o envio de documentação diversa, designadamente cópia do respetivo documento de identificação, entre outros dados pessoais.

De forma a credibilizar os contactos, as vítimas recebiam documentos supostamente emitidos por autoridades públicas nacionais, com selos, carimbos e assinaturas falsas, bem como por diferentes instituições bancárias, tanto nacionais, como internacionais.

Posteriormente, era solicitada às vítimas o pagamento sucessivo de montantes diversos, a título de custos relacionados com seguros, taxas bancárias/administrativas e impostos.

Com a utilização de um modus operandi em tudo similar, eram igualmente remetidas cartas respeitantes a um suposto prémio monetário de que as vítimas haviam sido vencedoras, voltando a ser exigidos pagamentos diversos.

Esta semana, a Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, participou numa operação conjunta com as autoridades espanholas, britânicas e americanas, coordenada pela Europol, visando o desmantelamento desta organização criminosa.

Em Portugal, no âmbito de inquérito a correr termos no DIAP de Lisboa, foram realizadas 26 buscas, domiciliárias e não domiciliárias, sendo detidas 16 pessoas, 13 homens e 3 mulheres, estrangeiros, com idades compreendidas entre os 26 e os 53 anos, pelos crimes de associação criminosa, burla qualificada, falsificação de documentos e branqueamento.

Das buscas resultou a apreensão de dezenas de milhares de cartas, etiquetas, impressoras e diverso equipamento informático utilizado na produção das cartas, além de telemóveis e numerário.

A atividade criminosa era desenvolvida desde, pelo menos 2019, tendo lesado cidadãos em países como Estados Unidos da América, Suíça, França, Noruega, México, Alemanha e Polónia, entre outros, em valores que ascenderam a milhões de euros.

A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, participou numa operação conjunta com as autoridades espanholas, britânicas e americanas, coordenada pela EUROPOL, visando o desmantelamento de uma organização criminosa que se dedicava à prática de burlas qualificadas, comummente designadas por “cartas da Nigéria”.

Em Portugal, no âmbito de inquérito a correr termos no DIAP de Lisboa, foram realizadas 26 buscas, domiciliárias e não domiciliárias, sendo detidas 16 pessoas, 13 homens e 3 mulheres, estrangeiros, com idades compreendidas entre os 26 e os 53 anos, pelos crimes de associação criminosa, burla qualificada, falsificação de documentos e branqueamento.

Das buscas resultou a apreensão de dezenas de milhares de cartas, etiquetas, impressoras e diverso equipamento informático utilizado na produção das cartas, além de telemóveis e numerário.

A atividade criminosa era desenvolvida desde, pelo menos 2019, tendo lesado cidadãos em países como Estados Unidos da América, Suíça, França, Noruega, México, Alemanha e Polónia, entre outros, em valores que ascenderam a milhões de euros.