Sociedade

Operação Miríade: ex-número um das secretas alertou para o risco de entrada no crime dos jovens que saem das forças especiais

11 novembro 2021 7:59

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Júlio Pereira, antigo secretário-geral do Serviço de Informações da República Portuguesa (SIRP)

tiago miranda

Júlio Pereira considerou “especialmente preocupante” a “intenção e capacidade de grupos criminosos” de se infiltrarem em “estruturas estatais” numa audição sobre Tancos, cujo assalto foi planeado por um ex-fuzileiro. Uma citação que volta a fazer sentido quatro anos depois, na Operação Miríade, em que um antigo militar das forças especiais volta a ser o cérebro do crime, neste caso de tráfico de diamantes, ouro e droga

11 novembro 2021 7:59

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Foi há quatro anos, na audição parlamentar de um outro caso mediático, o do furto das armas de Tancos, que Júlio Pereira, o então secretário-geral do Serviço de Informações da República Portuguesa (SIRP), alertou para um fenómeno que tem preocupado as hierarquias militares há algum tempo: o que fazer com os jovens que saem das forças especiais diretamente para a vida civil?