Sociedade

Sindicato do MP: "Não há interesse do Governo em combater a corrupção"

23 outubro 2021 14:07

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Jornalista

Francisca Van Dunem

manuel de almeida/lusa

Presidente do Sindicato dos Magistrados do MP subscreve "na íntegra" críticas do diretor do DCIAP ao Governo e considera que o orçamento previsto para o organismo que investiga os crimes económicos mais complexos "contradiz" o "planeamento" que a ministra da Justiça anunciou para combater a corrupção

23 outubro 2021 14:07

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Jornalista

Adão Carvalho concorda em absoluto com as críticas que Albano Pinto, diretor do DCIAP, dirigiu ao Governo: "Subscrevo e acompanho na íntegra as observações do diretor do DCIAP que, aliás, vêm na linha do vimos dizendo. É uma tecla em que batemos há algum tempo".

Num encontro sobre criminalidade aduaneira que decorreu em Lisboa entre magistrados e inspetores da Autoridade Tributária, Albano Pinto queixou-se amargamente de o Ministério da Justiça destinar apenas um dos 270 milhões da "bazuca" europeia ao organismo que dirige desde o início de 2019.

Para o presidente do Sindicato dos Magistrados do MP, "o orçamento previsto não corresponde ao anunciado reforço do combate à corrupção" referido "pela ministra da Justiça", Francisca Van Dunem. Isto é, há uma contradição entre "o planeamento" e depois o que é executado. "O planeamento não se reflete nos números. Só posso concluir que não há interesse efetivo do Governo em combater a corrupção".

Albano Pinto revelou que organismos como a Secretaria Geral do Ministério da Justiça ou o departamento de estatística tiveram direito a mais dinheiro do que o DCIAP que se bate com a falta de peritos "informáticos" e "financeiros". "Assim, sinceramente, não dá para combater o crime".

O Expresso contactou o gabinete da ministra que, até agora, não respondeu.