Sociedade

Covid-19. DGS ainda recomenda medicamento descartado pela OMS

20 agosto 2020 9:48

tiago petinga/lusa

Norma sobre como abordar doentes suspeitos não é atualizada desde abril, diz o “Jornal de Notícias”. Médicos apontam para outros exemplos. DGS diz que problema vai ter “rápida resolução”

20 agosto 2020 9:48

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda desde abril a prescrição de um medicamento para a malária, a hidroxicloroquina, para tratar a covid-19 - “durante pelo menos sete dias”. No entanto, este fármaco já foi descartado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), lembra esta quinta-feira o "Jornal de Notícias". A norma que recomenda o medicamento (004/20) define como devem ser abordados os doentes suspeitos de covid-19.

Apesar da orientação para prescrever este medicamento continuar em vigor, médicos ouvidos pelo JN garantem que não a estão a seguir. Em vez disso, estão a receitar fármacos como o Remdesivir, também recomendado pela DGS - e pela OMS.

A DGS já prometeu rever a norma em breve, mas os médicos assinalam que há outras orientações que não estão a ser atualizadas sistematicamente. Por exemplo, uma das regras em vigor diz que os critérios para determinar uma suspeita de infeção incluem a “história de viagem a, ou residência, em Wuhan”, a província chinesa onde a pandemia teve origem no final de 2019. Há também orientações desatualizadas quanto aos eventos de massa, tópico sobre o qual a Ordem dos Médicos pediu regras claras na semana passada. Ao JN, a DGS garantiu que várias normas, incluindo estas, estão a ser atualizadas, e espera “uma rápida resolução”.