Sociedade

Tiago Brandão Rodrigues: “As turmas não serão divididas”

Visivelmente cansado, depois de quase nove horas de um intenso Conselho de Ministros onde se discutiu uma solução para a TAP, a nacionalização surpresa da Efacec e as regras para o próximo ano letivo, Tiago Brandão Rodrigues falou quinta-feira à noite com o Expresso sobre o que foi o período mais difícil nas escolas portuguesas e o que vai ter de mudar a partir de setembro. A regra será ter todos na escola. E se for preciso ir para casa, os mais novos e os mais carenciados manterão as aulas presenciais. Até ao final da legislatura, todos os alunos e professores do ensino público vão receber computadores.

4 julho 2020 10:55

Isabel Leiria

Isabel Leiria

texto

Jornalista

Joana Pereira Bastos

Joana Pereira Bastos

texto

Jornalista

Ana Baião

Ana Baião

fotos

Fotojornalista

Tendo em conta as aprendizagens que ficaram para trás, não fazia sentido começar mais cedo o próximo ano letivo?

Era muito complexo porque temos uma fase de exames a acontecer no início de setembro. Mas vamos prolongar o próximo ano letivo até ao final de junho, no jardim de infância, 1º e 2º ciclos, que não estão condicionados às épocas de exames. E teremos férias intercalares mais curtas, nomeadamente na Páscoa, para irmos ganhando dias, não só para recuperar e consolidar aprendizagens, mas também porque sabemos que poderá haver algumas vicissitudes.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.