Sociedade

Covid-19. 500 ‘refugiados’ vão ser testados em seis hostels de Lisboa

No hostel Aykibom!, em Arroios, viviam 187 pessoas em 40 quartos. Dessas, 138 estavam infetadas

tiago miranda

MAI reforça inspeção ao acolhimento de requerentes de asilo. Unidades turísticas da capital serão opção de alojamento

25 abril 2020 12:56

São seis as unidades hoteleiras em Lisboa — todos hostels, com camaratas de beliches — onde cerca de 500 requerentes de asilo aguardam a finalização do seu processo de proteção humanitária. O levantamento é revelado ao Expresso pelo Ministério da Administração Interna (MAI) e é por aqui que vai começar o reforço da inspeção às condições de acolhimento destes migrantes depois do cenário desvendado, no passado fim de semana, pela pensão Aykibom!, em Arroios, onde em 40 quartos sobrelotados residiam 187 pessoas de 29 nacionalidades, das quais 138 infetadas com covid-19.

A par da fiscalização, muito em breve arranca também nesses locais uma despistagem coletiva ao novo coronavírus: vão ser testadas as cinco centenas de requerentes de asilo hospedadas em Lisboa. Ambas as operações são articuladas entre o MAI, Ministério da Saúde, Ministério da Solidariedade e Segurança Social e Secretaria de Estado para a Integração e Migrações.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.