Sociedade

Médicos acusam Infarmed de recusar tratamento que salva vidas

josé fernandes

Denúncia à Ordem refere centenas de doentes com cancro sem acesso a novos fármacos que travam a doença. Custam ao SNS até cinco mil euros por mês e vão ser registados nas fichas clínicas como indeferidos

6 setembro 2019 23:55

Medicamentos inovadores capazes de melhorar a evolução de cancros da mama, pulmão, próstata ou melanoma estão a ser recusados porque os peritos do Infarmed entendem que na fase inicial não há “risco imediato de vida” mas apenas “risco de vida”. O tratamento só é autorizado quando já existem metástases, precisamente o que os médicos querem evitar. A denúncia é feita pelo Colégio de Oncologia numa carta enviada à Ordem dos Médicos.

Na missiva, os oncologistas — entre os quais representantes dos três Institutos de Oncologia e de grandes hospitais como Santa Maria, em Lisboa, e São João, no Porto — acusam a autoridade do medicamento de ameaçar a sobrevivência de centenas de doentes: “As avaliações proferidas têm negado, no contexto do Serviço Nacional de Saúde (SNS), o acesso a medicação com efeito comprovado na diminuição de recidiva ou no aumento da probabilidade de sobrevivência.”

O Colégio vai agora agir pelo seguro. Informa que aconselhará “todos os médicos com responsabilidade no tratamento a informar os doentes sobre as melhores opções terapêuticas e as limitações à prescrição que possam ser impostas por entidades externas”. Além disso, devem registar “essa informação no processo clínico” dos doentes.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)