Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Três meses depois, foram apanhados: o gangue de familiares (incluindo dois menores) de Famalicão

Vaga de crimes travada após investigação da polícia

Cerca de três meses após iniciada a investigação, a PSP anunciou esta segunda-feira a detenção de nove pessoas pela suspeita de envolvimento em cerca de duas dezenas de assaltos nas zonas de Vila Nova de Famalicão e Guimarães. Com idades entre os 15 e os 48 anos, os indivíduos “eram praticamente todos familiares entre si” e o grupo estava já sinalizado por assaltos anteriores, adiantou ao Expresso o comissário Dennis da Cruz, chefe do Núcleo de Investigação Criminal da PSP de Famalicão.

Os primeiros indícios de que a vaga de assaltos registada nos últimos tempos podia ser responsabilidade dos mesmos assaltantes começou a ganhar forma pelo modo de atuação envolvido, explicou o comissário: os indivíduos escolhiam “residências, estabelecimentos e garagens (ou anexos) que sabiam não terem alarme, atuavam sempre de noite, em grupo e de forma organizada”.

A partir dessa constatação, a que se somou o facto de alguns elementos do grupo serem vistos nas ruas onde aconteceram os assaltos e também pela análise das câmaras de vigilância existentes em alguns dos locais, foi possível identificar os agora detidos e que estão ligados entre si familiarmente. “São, sobretudo, primos”, esclareceu o chefe do Núcleo de Investigação Criminal.

Residentes na região, na maior parte dos casos em dois bairros de Famalicão, considerados “problemáticos”, o grupo integrava dois menores, com 15 e 16 anos, que vão ser ouvidos no Tribunal de Família e Menores da cidade. Os restantes elementos – “nenhum com qualquer ocupação profissional conhecida” - serão apresentados no Tribunal Judicial da mesma comarca.

Ainda segundo o comissário Dennis da Cruz, na operação foi possível recuperar parte do material furtado, como LCD, relógios, computadores e relógios. Foram ainda apreendidos equipamentos do FC Porto - a loja deste clube em Famalicão foi um estabelecimentos roubados.

A PSP apreendeu igualmente duas armas de fogo e três armas brancas, al ém de 352 doses de haxixe. Um dos suspeitos foi detido por tráfico de estupefacientes, embora a polícia acredite que “possa estar igualmente envolvido” nos assaltos.

A Associação Comercial e Industrial de Vila Nova de Famalicão tinha já manifestado, em comunicado, preocupação pela vaga de assaltos, considerando que estava a colocar em causa a atividade económica dos seus associados e dos comerciantes em geral.

Segundo a Lusa, a associação foi alvo de uma tentativa de assalto em finais de janeiro.