Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mães depois dos 40 anos: número quase triplicou em dez anos

Rui Ochoa

O número de mães com mais de 40 anos quase triplicou em Portugal na última década. Mas a idade torna ínfima a hipótese de gerarem naturalmente um primeiro filho. Ainda assim, não desistem. Mais do que a medicina, é o dinheiro que embala os berços

Em 2017, foram 1921 as crianças que nasceram em Portugal de mulheres com mais de 40 anos, o que equivale a 5,3% do total dos primeiros filhos gerados no país. Mais do dobro do que dez anos antes, quando nasceram 758 bebés (1,9%) e mais do que multiplicando por cinco o total de há duas décadas: 366 (1,1%).

A tendência está a mudar o perfil das famílias em Portugal, porque os filhos das mães tardias — mulheres com mais de 35 anos — serão tendencialmente filhos e netos únicos, de pais que, em muitos casos, não os poderão acompanhar com saúde até à maturidade. A mudança do perfil demográfico veio para ficar.

“As mulheres estão a adiar o projeto da maternidade e não parece possível que o país regresse ao perfil dos anos 80, quando as portuguesas eram das mais jovens da Europa a serem mães, por volta dos 24 anos; atualmente são mesmo das mais velhas, com os primeiros filhos a nascerem de mães, em média, com mais de 30 anos", afirma Filomena Mendes, presidente da Sociedade Portuguesa de Demografia (SPD), que resume a situação nacional: mães com mais de 30 anos, muitas das quais com graves dificuldades em engravidar. Algumas nunca chegarão a cumprir o objetivo.

Leia este artigo na íntegra AQUI. E toda a edição do semanário Expresso deste sábado AQUI.

(Acesso a assinantes digitais do Expresso. Se ainda não é assinante, conheça as nossas propostas AQUI.

Acesso gratuito para compradores do jornal nas bancas: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)