Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Administração do Hospital de S. João pede a renúncia

Foto Rui Duarte Silva

A administração do Hospital de São João entregou um pedido de renúncia ao Ministério da Saúde, avançou a RTP. Tutela diz que “é um mecanismo que está previsto na Lei”, uma vez que o mandato terminou a 31 de dezembro

A administração do Hospital de São João, no Porto, entregou um pedido de renúncia ao Ministério da Saúde, de acordo com uma notícia avançada esta quarta-feira pela RTP, e que foi entretanto confirmada pela tutela.

“O mandato do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de São João terminou a 31 de dezembro de 2018. Em consequência o CA apresentou a renúncia de modo a facilitar a sua substituição da forma mais rápida possível”, refere uma nota enviada à comunicação social

Os motivos para o pedido de renúncia, adianta a mesma estação televisiva, incluem o desagrado pelas cativações de verbas decididas pelo Ministério das Finanças, bem como a falta de recursos humanos e técnicos e a degradação das condições de trabalho. A RTP refere, ainda, que entre as razões para a decisão da administração está “o modo como o Ministério da Saúde tem lidado com as consecutivas greves que deixaram reféns os hospitais do Serviço Nacional de Saúde”.

O Ministério da Saúde confirmou que teve conhecimento do pedido de renúncia do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de São João, sublinhando, em comunicado, que este “é um mecanismo que está previsto na Lei”.

Nessa mesma nota, o Ministério adianta que tem dialogado com o Conselho de Administração no quadroo da resolução do processo da ala de pediátrica, “reconhecendo o empenho do presidente em criar condições para a transferência dos doentes pediátricos para as instalações do hospital”.

O pedido de renúncia da Administração do Centro Hospitalar de São João surge depois de o presidente António Oliveira e Silva ter lamentado as condições miseráveis do serviço de oncologia pediátrica nesta unidade hospitalar.

Na semana passada, António Oliveira e Silva adiantou que as obras da Ala Pediátrica do Hospitalar de São João deverão arrancar no início do segundo semestre, sublinhando que o internamento pediátrico oncológico será mudado temporariamente em abril para o edifício central. Desde 2011 que este serviço é asegurado em contentores.

O Parlamento aprovou a 27 de novembro a proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2019, com vista a prever o ajuste direto para a construção da Ala Pediátrica do Hospital de São João.