Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Reino Unido instala telefones fixos na cela dos presos

O objetivo é reduzir os atos violentos e a reincidência, facilitando a manutenção de relações familiares, bem como o acesso a organizações que dão apoio a pessoas em situação difícil

O ministério da Justiça britânico vai instalar telefones nas celas de mais algumas dezenas de cadeias. A experiência já está a ser feita em 20 estabelecimentos prisionais, e parece apresentar resultados suficientemente bons para justificar o gasto adicional de 10 milhões de libras (1,11 milhões de euros).

O secretário da Justiça, David Gauke, explicou que nesta altura do ano "somos lembrados da importância da família, e há poucos grupos a quem isto se aplique mais do que aos presos". Dados na posse do ministério sugerem que os telefones nas celas reduzem a reincidência em 40 por cento, por vários motivos. Por um lado, a posse ilegal de telemóveis nas cadeias facilita o crime. Por outro, as filas para usar os telefones comuns são com frequência fonte de conflitos.

"Os telefones nas celas são uma forma crucial de permitir aos presos construir e manter relações de família, algo que sabemos ser fundamental para a sua reabilitação. Introduzi-los em mais prisões é o reconhecimento da contribuição que acho que podem dar para transformar as prisões em lugares de decência onde os criminosos têm uma verdadeira oportunidade de transformar as suas vidas".

Os presos só poderão ligar para números pré-autorizados, e todas as chamadas serão gravadas. Outro efeito do contacto acrescido entre os presos e as suas famílias é a redução de tentativas de suicídio e outras formas de os presos fazerem mal a si mesmos. O ano passado houve quase 50 mil casos desses no Reino Unido.

Entre os números que os presos poderão aceder diretamente contam-se os de organizações como os Samaritanos, que dão apoio a pessoas em situação emocional difícil. Prevê-se que em 2020, 50 prisões já tenham os telefones instalados nas suas celas.