Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Tiago Oliveira: “Ou mudamos a paisagem ou temos de mudar de vida”

Tiago Oliveira, chefe da Estrutura de Missão para o Sistema Integrado de Fogos Rurais, assumiu o cargo há quase um ano

José Carlos Carvalho

O responsável por pôr em prática as recomendações das duas comissões técnicas independentes, criadas em 2017, defende a aposta na silvopastorícia, no fogo controlado e em pôr as pessoas a cuidar da sua terra. “Se não cuidam da terra, para que a querem?”

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

Tiago Oliveira, o chefe da Estrutura de Missão para os Sistema Integrado de Fogos Rurais, acredita que a tragédia dos incêndios de 2017 “obrigou a pensar o problema dos fogos em Portugal e a perceber que só o combate não é solução”. Em entrevista ao Expresso, assegura que a aposta na integração de prevenção e combate “está a avançar”, mas que “é preciso mudar a paisagem com políticas, mobilização social e valorização da florestal”. E subscreve as palavras que lhe foram transmitidas por vários peritos internacionais em incêndios, que passaram este ano por Portugal a convite da Estrutura de Missão: “Parem de fazer planos e conversa e tratem da vegetação, pois as alterações climáticas não podem ser a desculpa”.

Desde início do ano passaram por Portugal 20 especialistas internacionais em incêndios no âmbito do programa de intercâmbio criado pela Estrutura de Missão do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais. Como está a correr?
Os peritos internacionais trouxeram experiências para partilhar e manuais com as funções 'standard' para cada entidade e foi isso que explicaram aos elementos da Força Aérea, da Proteção Civil, da GNR ou dos bombeiros, com quem estiveram ou a quem deram formação. Teremos de adaptar estes manuais. Mas a semente que trazem caiu em terra fértil e agora é uma questão de regar. O programa de intercâmbio de experiências também permite levarmos os nossos elementos a passarem um mês na Austrália, no Chile ou nos EUA, aprendendo sobre o que lá se faz, pegando nas pessoas que se mostraram os líderes de amanhã.

A ideia é partilhar informação, mas também recursos?
Há uma recomendação da FAO [Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) que defende que os recursos humanos e materiais devem ser partilhados de acordo com 'standards' e assim termos operações mais seguras e eficazes. Por exemplo, um chefe de operações ou um coordenador aéreo pode ir a outro país chefiar uma operação. A função está plenamente descrita e essa pessoa tem carta para a exercer. A ciência do fogo é igual em todo o mundo, a vegetação em Portugal e na Austrália é semelhante, as técnicas são as mesmas – podem é ter de ser ajustadas em função das temperaturas, das ferramentas e da cultura dos países.

A roda já foi inventada, mas é mais importante ouvir a informação em inglês?
Isto é uma estrutura de missão e o papel do missionário é espalhar a palavra e trazer para a comunidade de apagadores ou de gestores de fogo uma linguagem que seja comum e que seja parte da solução. Por exemplo, a meteorologista americana que esteve cá (duas semanas no Instituto Português do Mar e da Atmosfera e duas na Autoridade Nacional da Proteção Civil), sendo também bombeira conseguiu fazer muito bem a ponte e deu dicas muito úteis.

Os peritos têm apontado como grande diferença a complexidade da propriedade em Portugal: na Austrália a maioria da propriedade é do Estado, aqui é privada...
Há resistências que têm de se ultrapassar. Tem de haver outras soluções fora da estrutura de missão para enfrentar este problema. Se a paisagem não muda, o problema não se vai resolver. Se queremos ter um país viável, não podemos continuar a ter 80% do território deixado ao livre arbítrio. Aquele território tem de ter políticas lúcidas, fiscalização objetiva e têm de acontecer coisas.

E como se muda a paisagem?
Com políticas, mobilização social em torno de objetivos, valorizando a floresta e levando as pessoas a criar práticas de cuidar da sua terra. Se não cuidam da sua terra para que é que a querem?

E como o faz com uma população envelhecida e um interior sem gente?
Temos de arranjar outros modelos adequados à paisagem. Tem de entrar a silvopastorícia, o gado, os cavalos e as cabras a comer as ervas e os matos, e o uso do fogo controlado em escala. É o que fazem os australianos, que chegam a fazer queimas de fogo controlado de 200 mil hectares por ano. As pessoas têm de perceber que a ameaça das alterações climáticas só pode ser ultrapassada se conseguirmos gerir a paisagem e intervir na escala da vegetação combustível. Se não, isto vai encher-se de mato e o fogo vai ser cada vez mais severo.

É o que dizem os peritos internacionais?
Sim. E dizem-nos para pararmos de fazer planos e de conversa e começar a tratar da vegetação. As alterações climáticas não podem ser a desculpa. Precisamos de gado a pastar, fogo controlado e fazer a gestão florestal acontecer.

Foto Rui Duarte Silva

Como está a funcionar a integração entre prevenção e combate, tendo em conta a 'guerra de capelinhas'?
Está a avançar. Há vários bombeiros, vários sapadores. O país é diverso e nessa diversidade há vantagens. Um sapador pode ajudar um velhote a limpar a sua propriedade. A solução “bottom up” é a vencedora.

As pessoas sentem que as medidas aprovadas no último ano tardam a ser aplicadas.
Vai levar décadas. Temos de reconhecer que vivemos numa faixa atlântica, onde a vegetação cresce muito e já não temos o gado a pastar como há uns anos e as pessoas já não utilizam a floresta como usavam. O território está a mudar, a renaturalizar-se e nós temos de mudar a forma como agimos. Vêm aí as alterações climáticas e ou mudamos a paisagem ou temos de mudar de vida.

Foi o que se aprendeu com os incêndios de 2017?
Os incêndios de Pedrógão e de outubro obrigaram-nos a pensar no problema e a perceber que isto era muito mais complexo e tinha de ser resolvido de outra maneira. Este processo não pode parar. Vamos perder umas batalhas e ganhar outras, mas vamos aprendendo sempre.

Voltando ao interior sem gente e envelhecido...
Um dos objetivos da AGIF [Agência para a gestão integrada dos fogos rurais] é reforçar a prevenção no terreno, não é ficar em Lisboa. Vamos fortalecer as instituições públicas com mais pessoas reconhecidas pelo mérito e competência e devolver-lhes a credibilidade para que as pessoas acreditem que o país é viável. Mas as empresas privadas também têm responsabilidade neste processo. Se aquela madeira ou aquele papel vem de um eucaliptal que não está limpo e está a gerar uma externalidade negativa, então tem de ser limpo e o negócio tem de transferir valor para o produtor. Mas vai depender da regulação económica e não somos nós que atuamos aí. A fileira da floresta é uma fileira positiva, o valor de exportação das rolhas de cortiça é maior que o de vinho do Porto.

Mas o problema dos incêndios em Portugal não está nos sobreiros...
As alterações climáticas são para levar a sério e, sendo assim, a área de sobreiro tem de migrar para Norte e pode ser um bom competidor de ocupação do solo e de rentabilidade para o proprietário que, à falta de alternativas, vai para a solução mais barata e mais fácil e que lhe dá mais rendimento no curto prazo [o eucalipto]. O sobreiro é uma boa alternativa, resiliente ao fogo e que convive bem com a pastorícia.

Limitar a plantação de eucaliptos é uma forma de conduzir para essa alternativa, não?
98% dos incêndios em Portugal são causados pelas pessoas, 97% da propriedade é privada. A ocupação do solo depende das pessoas e das suas expectativas. É uma opção económica. Proibir ou aplicar a multa, ajuda... mas sou mais pela lógica de incentivos.

Nuno Botelho

Apesar de o eucalipto não ser em si 'pirómano', tendo em conta a estrutura da propriedade e a não gestão de grande parte dos eucaliptais, como é possível acabar com este flagelo? Como se muda esta paisagem?
Para isso temos três objetivos estratégicos. O primeiro é valorizar a propriedade. A floresta não é só lenha ou madeira, são os ecossistemas, o sequestro de carbono. Se as pessoas reconhecerem esse valor vão cuidar melhor. O segundo é este: cuidar. As pessoas já perceberam que basta um descuido para gerar um acidente ou mesmo a morte de outras pessoas, agora têm de mudar os comportamentos em relação à floresta e ao uso do fogo. O terceiro é gerir o risco de forma eficiente, mudando a forma como ocupamos a propriedade e conseguindo cooperar uns com os outros. Sem estes pontos, a eficiência que possamos ter do lado do combate não será suficiente.

Para mudar do eucalipto para o sobreiro são necessários apoios. Onde estão?
É preciso mexer nas políticas públicas e levar os atores, os empreendedores agrícolas ou pecuários e os donos da terra a ter uma coligação vencedora: um dá terra e o outro come o mato. Ou seja, tem de ser alterada a relação de gestão entre quem explora o recurso, quem compra o produto e quem tem a terra.

Mas continuamos sem saber de quem é a terra, ou pelo menos grande parte dela, já que o cadastro continua por fazer.
Basta pôr lá uma placa a dizer vende-se, aparece logo o dono (risos).

E porque não fazem isso?
As coisas estão a ser feitas, mas demoram. As pessoas têm de perceber que o combate não é a solução e que é possível reduzir as ignições, como se reduziu este ano.

Porque se reduziram as ignições este ano?
Quando o mês fechar vamos ter a média de setembro e os dados das anomalias do ano e avaliar melhor o que aconteceu nos dias extremos. Se houve mais incêndios nos dias de risco mais baixo, significa que quem está a fazer o fogo evitou os dias de maior risco.

O Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) tem os meios para fazer o seu trabalho?
O ICNF teve um reforço de recursos financeiros como não tinha tido nos últimos 30 anos. Mas os recursos humanos são insuficientes e os procedimentos não estão lá. A máquina pública tem agora de se ajustar à dimensão operativa.

Faltam-lhe 13 ou 14 semanas para terminar o mandato, vai prolongá-lo candidatando-se à AGIF?
Para já estamos focados nesta função. O processo para o concurso foi já entregue na CRESAP, mas o concurso só deve ser lançado mais para fim do ano.

Foi a sua equipa que definiu o perfil dos candidatos ao cargo? Podem ser acusados de fazer um perfil à vossa medida?
Eu gostava era que as sementes que aqui deixamos vingassem, porque o futuro da minha filha e dos portugueses passa por uma gestão saudável do território. Se não formos nós a prosseguir com este trabalho na AGIF, o importante é que se sigam os procedimentos standards.

Este fim de semana prevê-se novo aumento das temperaturas e provavelmente alertas vermelhos de risco de incêndio. Com tantos alertas este verão, não se corre o risco de assistirmos à história de 'Pedro e o lobo'?
Temos de afinar procedimentos e ter em conta o desvio à média para prever de forma mais precisa o risco de incêndio.