Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Casa Comum da Humanidade. Universidade do Porto lança projeto internacional para salvar as condições de vida na Terra

Global_Pics/Getty

O projeto pretende criar um novo modelo de governação global dos recursos naturais, onde é utilizado um sistema inovador de contabilidade ambiental e económica que compensa quem conserva e valoriza a Natureza e penaliza quem a destrói

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

A Casa Comum da Humanidade vai ser legalmente constituída na reitoria da Universidade do Porto no dia 24 de setembro. Este projeto internacional, que o Expresso tem noticiado desde o seu início, pretende garantir a preservação das condições de habitabilidade do planeta através de um novo modelo de governação global dos recursos naturais, onde é utilizado um sistema inovador de contabilidade ambiental e económica que compensa quem conserva e valoriza a Natureza e penaliza quem a destrói.

"O futuro da Humanidade está dependente do estado favorável do Sistema Terrestre, ou seja, do conjunto de ciclos físicos, químicos e biológicos globais e fluxos de energia que regulam a vida na Terra", afirma um comunicado da Universidade do Porto. "No entanto, o Sistema Terrestre é definido por fenómenos globais intangíveis, que não se restringem por fronteiras territoriais". O objetivo da Casa Comum da Humanidade (CCH) "é apresentar uma fórmula de governação mundial que garanta a correta gestão destes recursos, comuns a todos".

A CCH pretende ser a resposta a esta questão através de uma nova construção jurídica baseada no conceito de condomínio - o “Condomínio da Terra” -, apoiada por uma nova fórmula científica de avaliação e contabilização dos impactos positivos e negativos que todos realizamos neste património comum. Os conceitos foram desenvolvidos por dois professores da Universidade do Porto: o jurista Paulo Magalhães, da Faculdade de Direito, e o físico Orfeu Bertolami, diretor do Departamento de Física e Astronomia da Faculdade de Ciências.

Criar organismo de governo global junto da ONU


A sede da CCH ficará localizada na Universidade do Porto e terá como missão liderar a construção deste novo modelo de governação global, que será concretizado através da criação de um organismo de governo global a funcionar junto da ONU – uma espécie de administrador do condomínio – que faça a gestão dos diferentes recursos mundiais que garantem um estado do Sistema Terreste favorável à vida.

A Casa Comum da Humanidade terá como membros fundadores, para além da Universidade do Porto, as câmaras municipais do Porto e de Gaia e as principais universidades públicas portuguesas. A nova associação conta também com cientistas como Will Steffen (Universidade Nacional da Austrália e Centro de Resiliência de Estocolmo), considerado um dos líderes mundiais na investigação sobre alterações climáticas; Nathalie Meusy, especialista em desenvolvimento sustentável na Agência Espacial Europeia (ESA); e Alessandro Galli, diretor da Global Footprint Network, organização que trabalha junto da ONU e que criou o conhecido conceito de Pegada Ecológica e a sua métrica.

  • O governo da Terra é português

    Chama-se Casa Comum da Humanidade e é um projeto pioneiro de governação global dos recursos naturais do planeta — liderado por Portugal. Na base está um novo sistema de contabilidade ambiental e económica que compensa quem conserva e valoriza a Natureza e penaliza quem a destrói