Livros

O que revela a autobiografia do príncipe Harry? O Expresso já leu o livro que promete abalar a monarquia britânica

10 janeiro 2023 17:27

Luís M. Faria

Jornalista

finnbarr webster

“Na Sombra”, as memórias do príncipe Harry que acabaram de ser lançadas em 16 línguas, revelam a história do membro real “sobresselente” que fumou erva e cocaína e que perdeu a virgindade aos 17 anos (com uma mulher mais velha, num descampado atrás de um pub). No livro, conta que foi aconselhado por William e Kate a escolher o famoso disfarce nazi que usou numa festa e garante que matou 25 talibãs no Afeganistão - falando deles como peças de xadrez que era preciso tirar do tabuleiro

10 janeiro 2023 17:27

Luís M. Faria

Jornalista

Consta que a princesa Diana, quando os filhos eram pequenos, comentou que aquele que um dia se havia de divertir era Harry. A lógica não custa a perceber. Sem a responsabilidade de ser o futuro rei, o mais novo poder-se-ia permitir liberdades que estavam vedadas ao irmão William. Assim acontecera com a irmã da rainha Isabel II, a princesa Margarida, cuja vida sentimental alimentou as crónicas sociais durante anos, em contraste com a vida irrepreensível da monarca. As diferenças de comportamento entre o príncipe André e o atual rei Carlos III eram outro exemplo. Antes de escândalos recentes que roçam o criminal, ele tinha uma fama simpática e aparentemente justificada de playboy. Talvez se possa falar em desforra, em mecanismos de compensação por ter de ficar perpetuamente na sombra de uma irmã ou irmão mais velho. O título português das memórias agora publicadas do príncipe Harry é justamente “Na Sombra”. O original — “Spare”, sobresselente — traduz a mesma ideia de forma ainda mais direta.