Política

TAP: PSD pede explicações a Costa sobre "acordo" com Neeleman e Pedrosa, em 2017

TAP: PSD pede explicações a Costa sobre "acordo" com Neeleman e Pedrosa, em 2017
João Carlos Santos

PSD agarra notícia do “Correio da Manhã” sobre suposto acordo entre Costa e os acionistas privados da TAP para tentar virar feitiço contra o feiticeiro. “Depois de meses a vender que a privatização que o PSD levou a cabo é uma fraude”, diz Miguel Pinto Luz, “ficámos a saber que terá havido um acordo secreto em 2017”

TAP: PSD pede explicações a Costa sobre "acordo" com Neeleman e Pedrosa, em 2017

Ângela Silva

Jornalista

O PSD quer explicações do primeiro-ministro sobre as “novas revelações” de um suposto acordo entre o Governo socialista e o acionista privado da TAP. “Depois de meses a vender a narrativa de que a privatização da TAP que o PSD levou a cabo, era uma fraude” – lê-se num comunicado assinado pelo vice-presidente do partido, Miguel Pinto Luz – “ficámos agora a saber, de acordo com revelações da imprensa, que terá existido um acordo secreto em 2017”.

Em causa está a notícia que está na primeira página do “Correio da Manhã” deste sábado, segundo a qual o Governo de António Costa garantiu em junho de 2017 que David Neeleman e Humberto Pedrosa pudessem receber, antes do prazo inicial de 30 anos fixado em 2015, os 226,75 milhões de dólares contratualizados com a Airbus, que correspondiam ao valor que a Atlantic Gateway (sociedade em que ambos eram sócios) injetou, a título de capitalização, na TAP.

“Depois de Sérgio Monteiro e António Pires de Lima terem calado os já diminuídos e fragilizados deputados do PS, repondo a verdade dos factos e ficando claro que tudo [tese socialista de que a privatização feita pelo Governo de Pedro Passos Coelho foi uma fraude] não passava, isso sim, de um embuste e cortina de fumo para esconder os males maiores da gestão do dossier TAP”, escreve o vice-presidente de Luis Montenegro.

Miguel Pinto Luz
José Fernandes

Seguindo a informação veiculada pelo CM, Miguel Pinto Luz diz que “nessa alegada reunião entre António Costa, Pedro Marques e David Neelman, o Partido Socialista e o Sr. Primeiro-ministro terão permitido que o empresário norte- americano pudesse antecipar os 226 milhões de euros antes do prazo de 30 anos que o governo do PSD/CDS tinha estabelecido”. E “terá sido esta mudança que permitiu que David Neelman se tornasse no único empresário do sector da aviação civil que lucrou mais de 55 milhões de euros no período da Pandemia”.

A ser assim, o PSD considera serem dados “que exigem confirmação e justificações urgentes e que servem para adensar a teia de má gestão, compadrio, ligeireza e abuso de poder que o dossier TAP nos tem relevado publicamente”. Antecipando novos capítulos da comissão parlamentar de inquérito à gestão da transportadora, o maior partido da oposição diz que “a gravidade dos factos reforça as preocupações do PSD, que reitera a necessidade de ouvir o primeiro-ministro num tema da maior importância para o país”.

Tentando puxar António Costa para o foco da investigação em curso, o PSD sublinha que é o primeiro-ministro “o responsável máximo de tudo o que se passou nos últimos sete anos na TAP” e anuncia ter pedido “a audição urgente de Pedro Marques, Lacerda Machado, Miguel Cruz e demais responsáveis por tamanho erro de gestão por capricho ideológico, que custou mais de 3,2 mil milhões de euros aos contribuintes portugueses”. Além de, “não menos importante, causar graves e importantes danos de consequências ainda por medir na imagem e credibilidade de uma importante marca que é a TAP”.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: AVSilva@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas