Política

Ministra da Defesa não confirma envio de tanques para Ucrânia, decisão vai ser tomada “em breve”

25 janeiro 2023 19:07

Helena Carreiras sucedeu a João Gomes Cravinho, que será ouvido no Parlamento para a semana

miguel a. lopes/lusa

Depois do gabinete de Gomes Cravinho ter recuado na declaração do ministro – de que estava “assumido o compromisso” de Portugal enviar veículos de combate Leopard 2 para a Ucrânia –, agora é a Ministra da Defesa que não dá certezas sobre o envio. Helena Carreiras diz que decisão vai ser tomada “em breve” e “em função das possibilidades” do país.

25 janeiro 2023 19:07

A ministra da Defesa, em declarações à SIC Notícias, esta quarta-feira, não confirmou o envio de veículos de combate portugueses para apoiar as tropas ucranianas. Helena Carreiras afirmou que estão a ser feitas “consultas” com “parceiros” que vão permitir tomar uma decisão quanto ao envio de veículos para a Ucrânia “em breve” e de acordo com as “possibilidades” do país. A ministra disse ainda faltar “acertar detalhes” e “articular” esse apoio militar com os restantes países envolvidos. Estas declarações surgem após o ministro dos Negócios Estrangeiros ter confirmado, esta quarta-feira, o envio de tanques Leopard 2 para a Ucrânia e, pouco depois, tanto ele como o seu ministério terem recuado nas certezas. “Não há decisões sobre o envio de carros de combate portugueses para a Ucrânia”, corrigiu Gomes Cravinho, nas segundas declarações às televisões.

Sobre o treino militar às tropas ucranianas para o manuseamento dos veículos de combate portugueses, a ministra da Defesa confirmou que há “disponibilidade” por parte dos militares portugueses para avançar com essa formação. Gomes Cravinho, nas primeiras declarações à SIC Notícias, em Castelo Branco, já tinha destacado a formação dos militares ucranianos como o primeiro passo no apoio militar de Portugal à Ucrânia. “Tudo depende da formação dos militares ucranianos. Os Leopard são equipamentos muito evoluídos tecnologicamente, portanto o processo de formação pode demorar algumas semanas”.

Nestas mesmas declarações, Gomes Cravinho confirmou o envio destes equipamentos militares. “Vai demorar dois ou três meses [a enviar os Leopard 2], mas o importante é que está assumido este compromisso”. Pouco depois, o ministro voltou atrás nas suas palavras em novas declarações aos jornalistas. “Não há nenhuma decisão sobre o envio de carros de combate portugueses para a Ucrânia”, retificou desta vez à SIC Notícias e à RTP. E acrescentou ainda: “Nós participamos no esforço coletivo de apoio à Ucrânia, temos dado a nossa contribuição de forma muito generosa nos vários âmbitos - político, militar, humanitário e financeiro -, e em relação ao aspeto militar, Portugal tem vindo a contribuir sempre de acordo com as suas possibilidades e as necessidades ucranianas”. E não especificou qual será o apoio militar prestado por Portugal à Ucrânia nem voltou a falar de datas de envio.

De acordo com a notícia avançada pela Renascença, também o gabinete de Gomes Cravinho desmentiu as primeiras declarações do ministro. O ministério disse ter sido um “lapso” e garantiu que iriam ser prestados esclarecimentos em breve.

A discussão sobre o envio de veículos de combate para a Ucrânia surge depois da Alemanha confirmar, também esta quarta-feira, o envio de 14 tanques Leopard 2 para apoio às tropas ucranianas. Dada luz verde pelo chanceler alemão, espera-se agora que outros países sigam o exemplo e avancem com o envio de peças de artilharia pesada.