Política

PSD: Montenegro não diz como votaria a lei da eutanásia

1 dezembro 2022 23:02

rodrigo antunes/lusa

Montenegro não reage a Cavaco. Dá liberdade de voto e defende referendo, mas não faz qualquer diligência nesse sentido

1 dezembro 2022 23:02

A posição pública que se conhece de Luís Montenegro sobre a eutanásia é esta: o presidente do PSD é favorável a um referendo. Lembrou-o em maio, quando ainda era candidato à liderança do partido. “Eu já defendi isso ainda era líder parlamentar do PSD”, sublinhou quando questionado sobre o anúncio feito então pelo Chega de que iria apresentar uma proposta de referendo sobre a eutanásia. Para Montenegro, o tema “não se pode esgotar nos partidos e no Parlamento”, merecendo “um debate profundo e aberto na sociedade”. “Estou muito à vontade para poder dizer aquilo que já dizia há meia dúzia de anos: é, de facto, um tema que eu gostava que pudesse ser discutido com esta abertura e que a palavra final fosse dada ao povo português depois de estar conscientemente esclarecido”, acrescentou.

De então para cá não se conhecem da atual direção do PSD mais pronunciamentos sobre o tema nem diligências para a realização de um referendo. A única coisa que se sabe é que, como é tradição, por se tratar de uma matéria de consciência, o partido dará liberdade de voto aos seus deputados. A votação na especia­lidade voltou esta semana a ser adiada, pela terceira vez, depois de o Chega ter apresentado um pedido nesse sentido. Em causa estava uma nova versão do diploma, que foi distribuída de madrugada. O PS, responsável pela alteração, e o PSD votaram com o Chega a favor de um novo adiamento.