Política

Ministra da Presidência reconhece “problema de orgânica” do Governo que “foi corrigido”

28 outubro 2022 12:23

Rita Dinis

Rita Dinis

texto

Jornalista

Joana Nunes Mateus

Joana Nunes Mateus

texto

jornalista

Nuno Botelho

Nuno Botelho

Fotojornalista

foto nuno botelho

Vários casos de descoordenação e incompatibilidades foram um “problema”, admite a número dois do Governo em entrevista ao Expresso

28 outubro 2022 12:23

Rita Dinis

Rita Dinis

texto

Jornalista

Joana Nunes Mateus

Joana Nunes Mateus

texto

jornalista

Nuno Botelho

Nuno Botelho

Fotojornalista

Um dia antes de o secretário de Estado Adjunto que foi nomeado para corrigir o “erro” ter sido, ele próprio, alvo de notícias sobre negócio “duvidoso” (ver pág. 10), a ministra da Presidência admite erros no arranque deste Governo. Mariana Vieira da Silva diz que o PSD mais depressa mudará de liderança do que o PS e não descarta uma quarta candidatura de António Costa em 2026: “Logo se avaliará.”

Enquanto ministra da Presidência, tinha na orgânica deste Governo a pasta da coordenação política. Entretanto, foi nomeado um secretário de Estado Adjunto com essa mesma pasta. O que é que correu mal? Não tinha mãos para tudo?

Perguntar a uma pessoa que já foi secretária de Estado Adjunta do primeiro-ministro se acha bem que exista um secretário de Estado Adjunto do PM só pode ter uma resposta. As funções são distintas e a prova é que eu tinha umas e passei a ter outras. Se não houvesse um problema, o Governo não teria feito uma alteração da sua orgânica. E, quanto a mim, é muitíssimo importante a existência de um secretário de Estado que assegure as dimensões da partilha de informação, de coordenação, de mensagem. Sou, talvez, uma das pessoas a quem possa fazer essa pergunta que mais reconhece a importância desse cargo.