Política

Parlamento aprova pesar pelas mortes de Isabel II e Gorbachov - PCP e Bloco desalinhados nos votos

16 setembro 2022 15:38

Presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, foi quem redigiu os dois votos de pesar

manuel de almeida/lusa

No voto pela morte do ex-líder soviético Bloco optou pela abstenção, enquanto PCP votou contra. Novo sobre a Rainha de Inglaterra, os dois partidos optaram pela abstenção

16 setembro 2022 15:38

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira um voto de pesar pela morte do antigo líder da União Soviética Mikhail Gorbachev, que morreu aos 91 anos, com o PCP a votar contra e o Bloco a abster-se. No voto de pesar pela morte de Isabel II, a abstenção deste dois partidos impediu a unanimidade do plenário.

O voto, apresentado pelo presidente do parlamento, Augusto Santos Silva. “O seu papel foi essencial para o fim da Guerra Fria e para a transição democrática no Leste da Europa, após a queda da “Cortina de Ferro”. O seu contributo foi determinante para a abertura da Rússia ao diálogo e ao mundo e para o desanuviamento da tensão e lógica de confrontação que havia marcado a ordem internacional durante grande parte do pós-Segunda Guerra”, lê-se no voto.

O texto salienta que “foi também a sua ação que permitiu que fosse finalmente reconhecido às populações dos países do Pacto de Varsóvia e das nações da antiga União Soviética o direito de escolherem livremente o seu destino”.

“Líder político cuja visão permitiu as transformações históricas que estiveram na génese da consolidação de uma ordem mundial baseada em regras e fundada nos valores do multilateralismo e na resolução pacífica de diferendos, deixou um legado indelével para a paz na Europa nas duas últimas décadas do século XX”, é destacado no voto.

Lembrando que em 1990 Gorbachev foi laureado com o Prémio Nobel da Paz “pela sua liderança e contributo para a resolução pacífica de controvérsias internacionais e pelo papel desempenhado na aproximação entre o Ocidente e o Leste”, o parlamento endereça “as mais sentidas condolências” à família e amigos do antigo líder.

Uma das figuras políticas mais influentes do século XX, Gorbachev morreu no passado dia 30 de agosto aos 91 anos, quando, segundo o seu gabinete, estava em tratamento no hospital.


Parlamento destaca “superlativo sentido de dever e serviço público” de Isabel II

No voto de pesar pela morte da rainha Isabel II do Reino Unido, o Parlamento destava que a soberana “cumpriu o seu reinado com superlativo sentido de dever e de serviço público”. O voto de pesar, apresentado pelo presidente do parlamento, Augusto Santos Silva, foi aprovado com as abstenções de PCP e BE.

O texto salienta que “ao longo dos seus setenta anos de reinado, a Rainha Isabel II desempenhou, enquanto soberana, um papel fundamental para a democracia britânica, tendo trabalhado com os muitos governos neste longo e diverso período” e “personificou, melhor do que ninguém, o papel institucional próprio do monarca de uma monarquia constitucional”.

“Constituindo um irrefutável fator de prestígio, tanto no Reino Unido como em toda a comunidade de países da Commonwealth, Isabel II cumpriu o seu reinado com superlativo sentido de dever e de serviço público”, lê-se no voto.

A Assembleia da República evocou desta forma a memória de Isabel II, expressando o seu pesar e “endereçando à família real e a todo o povo britânico as mais sentidas condolências”. O Conselho de Ministros declarou na quinta-feira três dias de luto nacional pela morte de Isabel II, entre domingo e terça-feira.

Isabel II morreu a 8 de setembro aos 96 anos no Castelo de Balmoral, na Escócia, após mais de 70 anos no trono, o mais longo reinado da história do Reino Unido. Após a morte da monarca, o filho primogénito assumiu aos 73 anos as funções de rei como Carlos III.

Um funeral de Estado com a presença de dezenas de chefes de Estado e de governo internacionais terá lugar na segunda-feira na Abadia de Westminster, em Londres.

Notícia alterada às 18h50, com correção do titulo sobre voto do PCP