Política

Ministro garante autonomia e "meios adequados" à nova direção do SNS: "Nada disto desresponsabiliza o Governo"

16 setembro 2022 20:54

Eunice Lourenço

Eunice Lourenço

Editora de Política

rodrigo antunes/lusa

Manuel Pizarro congratulou-se com promulgação do novo decreto, conhecida pouco antes da posse dos novos secretários de Estado

16 setembro 2022 20:54

Eunice Lourenço

Eunice Lourenço

Editora de Política

Notoriamente satisfeito, o novo ministro da Saúde, Manuel Pizarro, promete autonomia e “meios adequados” à nova direção executiva do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que começará a trabalhar “em plenitude” a 1 de janeiro de 2023, com a entrada em vigor do próximo Orçamento do Estado. O diretor-executivo, contudo, deve começar a 1 de outubro, primeiro dia do mês seguinte à publicação do decreto que o Presidente da República promulgou esta sexta-feira.

A promulgação é uma “boa noticia” que “permite operacionalizar a direção executiva do SNS”, disse Manuel Pizarro, no Palácio de Belém, à saída da posse dos novos secretários de Estado. O ministro recusou dizer quem será o diretor-executivo do SNS, escusando-se na recente promulgação. “Como sempre afirmamos, não iriamos pôr o carro à frente dos bois, Vamos trabalhar nos próximos dias trabalhar para encontrar um diretor-executivo e uma equipa de gestão”, continuou o ministro, não confirmando a escolha de Fernando Araújo.

“Faremos um esforço para encontrar a melhor pessoa possível para diretor-executivo e a melhor equipa de gestão possível, porque queremos que essa direção executiva tenha uma enorme autonomia do ponto de vista técnico e operacional. E nada disto desresponsabiliza o Governo e o Ministério da Saúde, que é responsável por garantir os meios e definir as orientações gerais da política de saúde”, garante Pizarro, que deu já conta das tarefas da nova estrutura.

“A ideia é que a equipa de gestão do SNS , o diretor-executivo e a equipa que o apoia, possa melhorar o funcionamento em rede dos serviços. Não apenas o funcionamento em rede no plano horizontal – quando falamos do conjunto dos cuidados de saúde primários e do conjunto dos hospitais – mas também da articulação das diferentes redes: a rede dos cuidados de saúde primários, a rede hospitalar, a rede de emergência médica, os cuidados continuados e os cuidados paliativos”, enunciou o ministro, que diz estar “concentrado nos resultados e promete ”garantir à direção executiva e ao diretor executivo os meios adequados" para os alcançar.

“Reconhecemos que há dificuldades e a nossa perspetiva é que o acesso e a satisfação das pessoas possa melhorar. Agora, com uma organização diferente, separando a condução técnica e operacional da condução política”, disse ainda o ministro, que tomou posse no sábado.

Margarida Tavares, nova secretária de Estado para a Promoção da Saúde

Margarida Tavares, nova secretária de Estado para a Promoção da Saúde

antónio cotrim/lusa

Pizarro demorou, contudo, quase uma semana a ter uma sua equipa completa com a posse dos secretários de Estado, que decorreu esta sexta-feira no Palácio de Belém. Nas declarações à saída da cerimónia, o ministro fez questão de, antes de responder a perguntas, agradecer a Margarida Tavares, a nova secretária de Estado para a Promoção da Saúde, salientando que é a “primeira vez” que há um secretário de Estado com esta designação. E prometeu uma “estratégia nacional de promoção da saúde em que toda a sociedade é chamada a envolver-se”.

Lacerda Sales, que saiu do Governo, cumprimenta Ricardo Mestre, o novo secretário de Estado da Saúde

Lacerda Sales, que saiu do Governo, cumprimenta Ricardo Mestre, o novo secretário de Estado da Saúde

antónio cotrim

Também agradeceu a Ricardo Mestre, que sai da Direção Geral da Saúde para secretário de Estado e que teve, tal como Margarida Tavares, um grande abraço da diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, nos cumprimentos que se seguiram à posse. A nova secretária de Estado era coordenadora da DGS para as doenças infecciosas, assumindo, nos últimos tempos, o lugar de porta-voz sempre que era preciso dar orientações sobre Monkeypox. Fez também parte da task-force para a Covid-19.

O primeiro-ministro cumprimenta o seu novo secretário de Estado Adjunto, Miguel Alves

O primeiro-ministro cumprimenta o seu novo secretário de Estado Adjunto, Miguel Alves

antónio cotrim

Além dos secretários de Estado da Saúde, o Presidente da República também deu posse a Miguel Alves, o novo Adjunto do primeiro-ministro, que Costa chamou da Câmara de Caminha para o ajudar a coordenar o Governo e acalmar o PS.