Política

Chega debate e vota moção de confiança em Conselho Nacional a 17 e 18 de setembro

29 agosto 2022 21:01

carlos vidigal

Reunião do órgão máximo entre congressos vai ser aberta a “todos os militantes” que queiram participar, mas segundo transmitiu à Lusa fonte oficial do partido apenas poderão votar a moção de confiança os dirigentes que já integram o Conselho Nacional, no qual o líder tem larga maioria

29 agosto 2022 21:01

O Chega vai debater uma moção de confiança à liderança de André Ventura num Conselho Nacional extraordinário em 17 e 18 de setembro, no qual todos os militantes poderão intervir mas apenas os conselheiros poderão votar.

Em comunicado divulgado esta segunda-feira, é referido que a direção nacional do Chega requereu a “convocação de um Conselho Nacional extraordinário com o objetivo de discutir, avaliar e votar a moção de confiança proposta pelo presidente” do partido. A reunião vai decorrer nos dias 17 e 18 de setembro, na Batalha (distrito de Leiria).

Esta reunião do órgão máximo entre congressos vai ser aberta a “todos os militantes” que queiram participar, mas segundo transmitiu à Lusa fonte oficial do partido apenas poderão votar a moção de confiança os dirigentes que já integram o Conselho Nacional, no qual o líder tem larga maioria.

“Entendendo que é fundamental que não subsistam dúvidas internas quanto à legitimidade do presidente e ao estilo de liderança que este tem afirmado, quer em termos partidários, quer parlamentares, a direção nacional solicitou igualmente à mesa nacional que o XI Conselho Nacional seja aberto à participação de todos os militantes, de todas as regiões do país, para que o debate seja completo, global e o mais abrangente possível”, defende o partido.

Por isso, em simultâneo vai decorrer a primeira assembleia plenária (figura que não consta dos estatutos), “como forma de participação direta dos militantes no caminho a seguir pelo partido”.

Ventura anunciou a apresentação de uma moção de confiança após as críticas do deputado Gabriel Mithá Ribeiro, que se demitiu de vice-presidente da direção após ter sido afastado da coordenação do gabinete de estudos do partido. No comunicado, o Chega indica que “todos os militantes em situação regular poderão participar e intervir, nos termos do regulamento interno a aprovar pela mesa”.

Os trabalhos vão arrancar com a apresentação da moção de confiança pelo presidente do partido, que será votada “através de voto secreto em urna fechada” no final do debate. “Os resultados serão anunciados pela mesa nacional logo após validada a contagem pela mesa e pelo conselho de jurisdição nacional”, é indicado.

O líder do Chega, André Ventura, anunciou no domingo que vai apresentar uma moção de confiança para que os órgãos competentes do partido se pronunciem sobre a forma como a formação tem sido dirigida. O líder de extrema-direita considerou ser “evidente que há hoje no partido uma fação”, que ele pensa ser minoritária, e que contesta a atual direção.

“Pretendo apresentar uma moção de confiança ao partido, a marcar de forma urgente, onde todos possam participar e ter a sua posição para definir se este é o caminho que querem, o caminho que nos trouxe até aqui”, disse André Ventura, à margem da sessão de encerramento da Academia de Verão da Juventude do Chega.