Política

Pedro Nuno Santos: Ferrovia é “imbatível” do ponto de vista ambiental e aposta para continuar

6 julho 2020 13:46

Pedro Nuno Santos juntou-se às negociações com os sindicatos e tem estado presente em algumas reuniões

josé sena goulão

De visita ao Parque Oficinal de Guifões, em Matosinhos, para receber as primeiras carruagens adquiridas pela CP à espanhola RENFE, o ministro das Infraestruturas diz que do ponto de vista ambiental a ferrovia e “imbatível” e responde aos desafios em termos de mobilidade que o “país precisa para o futuro”

6 julho 2020 13:46

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, pede mais interesse pela ferrovia e garante que a aposta nesta área é para continuar face à mobilidade sustentável que o país precisa para o futuro.

"Em termos de meios de transportes menos poluentes, nenhum bate a ferrovia desse ponto de vista, nem carros elétricos, pois a vantagem das carruagens é que não levam só quatro pessoas. Do ponto de vista ambiental a ferrovia e imbatível", afirmou Pedro Nuno Santos à margem da visita ao Parque Oficinal de Guifões, em Matosinhos, para receber as primeiras 18 carruagens adquiridas pela CP à espanhola RENFE.

Recordando que esteve presente na inauguração da fábrica a 15 de janeiro, o ministro congratulou-se com o facto de hoje estar "cheia" e a laborar, tendo conseguido colocar ao serviço da população um conjunto de unidades que estavam encostadas há muitos anos, como o caso das carruagens na linha do Douro.

"Aquilo que nós hoje queremos fazer aqui é sinalizar mais um momento importante desta aposta na ferrovia que precisava de ter em Portugal. Não sei se temos todos noção da importância que a ferrovia tem para o país e sistematicamente vamos desvalorizando a importância da ferrovia para o país, que transporta Portugal inteiro, não só nos grandes centros urbanos, como no acesso a grandes cidade ou o acesso a todo o território", acrescentou.

O governante explicou ainda que foram comparadas 51 carruagens à RENFE no montante de um milhão e 650 mil euros e que terão que ser alvo de intervenções, que não deverão ultrapassar os 150 mil euros por cada uma. As primeiras carruagens - com espaço para bicicletas - deverão começar a circular já em dezembro ou janeiro.

"Precisamos de material circulante utilizado de forma crescente que possa casar com a utilização da bicicleta, por isso nas alterações feitas vai haver espaço para os passageiros colocarem bicicleta na carruagem. Isso é também muito importante para o tipo de mobilidade que precisamos para o futuro", reforçou.

Questionado sobre o alerta do Conselho de Finanças Públicas, que se manifestou preocupado com o impacto da injeção na TAP na área Social, Pedo Nuno Santos recusou comentar. "Sobre a TAP direi zero. Tenho falado sobre a TAP todos os dias. Por mais perguntas que façam sobre a TAP não vou dizer nada, porque o país tem que olhar também para o que se está a fazer de bem noutras áreas", disse perentório.