Política

"Hoje é o dia" para a TAP. Costa espera acordo com privados, mas se tiver de ser haverá nacionalização

1 julho 2020 12:28

nuno botelho

O primeiro-ministro disse esta quarta-feira em Elvas que espera ainda hoje alcançar um acordo com o consórcio de privados que detêm 45% da TAP. E assume que está em cima da mesa a nacionalização da empresa

1 julho 2020 12:28

De hoje não deverá passar uma solução para a TAP. Quem o disse foi o primeiro-ministro. Na cerimónia de abertura de fronteiras com Espanha, António Costa respondeu que espera que ainda hoje haja um acordo com o consórcio de privados que detêm 45% da TAP. "Se não hoje, nos próximos dias. Mas ainda hoje espero que haja uma solução negociada e com acordo e não com acto de imposição do Estado", ou seja, com a nacionalização. Mas se tiver de ser, "cá estaremos para isso", disse.

No início da resposta, António Costa tinha referido que a TAP está "a caminho de uma solução estável" e que qualquer que seja a solução "Portugal terá a sua companhia". Depois, mais tarde diria que ainda não tem informações das negociações das últimas horas, mas que acredita que "o problema será assegurado rapidamente".

Em causa está o facto de os privados terem rejeitado a solução apresentada pelo Governo para salvar a companhia. A nacionalização por decreto passou a estar em cima da mesa e é, aliás, a opção que deverá acabar por acontecer. Esta terça-feira, o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, admitia que haveria uma nova tentativa com os privados, mas que caso estes não aceitem a proposta, o Estado tem de avançar para a nacionalização.

Medina? "Estamos bem conscientes disso"

Sobre as críticas feitas pelo presidente da Câmara de Lisboa à gestão da pandemia na Área Metropolitana de Lisboa, o primeiro-ministro disse estar "bem conscientes disso" ou seja, dos problemas, e que "foi por isso" que reuniu com os presidentes da câmara da região para avaliar o que falta.

Defendeu o primeiro-ministro que acredita que tem as medidas necessárias para fazer face ao que está a acontecer em Lisboa mas que manterá a sua posição: "Tenho acompanhado a frustração de muitos autarcas, mas também a vontade de trabalharem com o Governo. Não vamos enfrentar esta crise escondendo problemas", disse.