Política

Marcelo espera Orçamento aprovado à esquerda

Costa ofereceu o cachecol do Euro (como o outrora usado por Centeno) a Marcelo. Sonhará o PM com um Presidente amarrado?

tiago petinga/lusa

Crise. PR teme que sem direita e com a esquerda partida se volte ao ‘pântano’. Sobretudo se Costa tentar uma crise e perder Centeno

21 dezembro 2019 18:35

Marcelo Rebelo de Sousa não tem dúvidas: o melhor para o país na perspetiva da estabilidade política e do cumprimento da legislatura é o primeiro Orçamento do Estado (OE) deste novo ciclo ser viabilizado pela esquerda. Para o Presidente da República, que não sendo de esquerda sempre defendeu uma clarificação sem a qual não acha possível a direita refazer-se, António Costa e Mário Centeno devem negociar com o PCP e com o Bloco de Esquerda. E antes da votação do Orçamento na generalidade, em vez de se mostrarem tranquilos porque o documento passará sempre com o apoio do PSD-Madeira, do PAN e do Livre. “Essa é uma solução de fim de Governo, tipo queijo Limiano. E não se pode começar com força com uma solução frágil”, avisa fonte da Presidência da República. O assunto já terá sido conversado entre o Presidente e o primeiro-ministro.

O que mais preocupa Marcelo, apurou o Expresso, são os riscos de ingovernabilidade numa legislatura cheia de dúvidas e riscos em que uma crise à esquerda somada à crise profunda da direita deixaria poucas alternativas em caso de crise política. “Se além de não haver direita também se parte a esquerda o que é que sobra ao Presidente?!”, questiona-se no Palácio de Belém. Mas há outros fatores que levam Marcelo Rebelo de Sousa a não gostar de uma solução ‘limiana’ para o primeiro Orçamento da legislatura.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler (também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso).

Torne-se assinante