Política

Zita Seabra troca PSD pela Iniciativa Liberal

A ex-comunista classifica a ‘geringonça’ como os “partidos Pai Natal”

tiago miranda

Antiga dirigente comunista será mandatária da Iniciativa Liberal. “A direita está num fosso. É preciso encontrar saídas”, diz ao Expresso

17 agosto 2019 13:36

É o percurso de maior amplitude da política portuguesa. Zita Seabra, antiga dirigente comunista, mais tarde militante do PSD, desfiliou-se do partido agora liderado por Rui Rio “há poucos meses” e sem grande estrondo. “Os partidos não são como os casamentos, não exigem uma fidelidade canina”, simplifica, sem se alongar em críticas à atual direção. Aproximou-se da Iniciativa Liberal (IL), projeto que já acompanhava com atenção, e aceitou com “naturalidade” o convite para ser mandatária nestas legislativas. “A direita está numa situação moribunda, completamente desfeita. A pergunta que se impõe é: quais são os caminhos para refazer a direita em Portugal? Acredito que passa por uma direita que não tenha medo de ser de direita e liberal”, justifica.

Em declarações ao Expresso, Zita Seabra assume que a aproximação à IL acontece também por reação à ‘geringonça’. “Eu fiquei vacinada contra o socia­lismo e este Governo resulta de uma coligação de ideologias que foram derrotadas no século XX. É um modelo tóxico, que procura em cada momento inventar uma maneira mais eficaz de aumentar impostos e interferir mais na vida das pessoas.”

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)