A Beleza das Pequenas Coisas

Joaquim Letria: “Estamos cada vez mais entregues à bicharada. Mas não culpo os jovens”

21 maio 2021 14:23

Nuno Botelho

Nuno Botelho

Fotojornalista

Durante décadas, Joaquim Letria foi figura principal da televisão e do jornalismo português. Começou no extinto “Diário de Lisboa”, passou pela BBC, em Londres, foi repórter internacional da agência "Associated Press", fundou “O Jornal”, o “Tal e Qual”, a revista “Sábado” e, na RTP, foi autor e apresentador de programas de informação e 'talk shows'. Em 75, junto com José Carlos Megre, moderou o mítico debate para as presidenciais entre Mário Soares e Álvaro Cunhal, de onde saiu a célebre frase “olhe que não, doutor, olhe que não!” Sobre esse momento decisivo da democracia, tem uma opinião muito própria. “Soares ganhou porque vendeu às pessoas o que queriam ouvir. Cunhal foi mais verdadeiro. Votei em Cunhal." Voz crítica do jornalismo atual, Letria lamenta também que a ONU ‘sopre para o lado’ enquanto a Faixa de Gaza continua a ser bombardeada por Israel e fala da importância do tempo para se chegar à verdade dos factos. Aos 77 anos, afirma que houve “sempre” quem o quisesse apagar do retrato e avisa: "Não quero reformar-me nunca. Jamais. Com esta idade podemos até ser melhor do que éramos. Sinto-me com mais qualidade."

21 maio 2021 14:23

Nuno Botelho

Nuno Botelho

Fotojornalista

Joaquim Letria chega a estúdio acompanhado pela sua mulher, Berta Correia Ribeiro. E a conversa parte daí, desta história de amor com 40 anos que começou a bordo de um avião da TAP e que partiu de um pequeno ‘incidente’, já que Berta na altura era assistente de bordo e Letria era o porta-voz do então Presidente Ramalho Eanes. Qual foi o ‘incidente’? É melhor ouvirem pela voz dos seus protagonistas.

Voz crítica do ‘mau jornalismo’ que se faz, a par do bom, Joaquim Letria diz que o que o faz virar a página de um jornal, com particular irritação, são as crónicas de "alguns comentadores" da atualidade especialistas em tudo e em nada. “Há muita gente a comentar que não devia fazê-lo." Sobre a tragédia que se vive atualmente na Faixa de Gaza, sob intenso ataque de Israel, Letria mostra-se chocado: "O que estão a fazer aos palestinianos é inadmissível. Um horror. E vemos as Nações Unidas a soprar para o lado. Estão a brincar com a gente. Não há ideia do que aquela gente sofre há 73 anos." O jornalista recorda que esteve naquele território palestiniano no passado por diversas vezes e que lá fez muitos amigos. "Amigos que viveram uma vida sem esperança, sem futuro, sem nada. É horrível. Não vejo fim nisto. É difícil de entender."

nuno botelho

Sobre o seu longo percurso recorda inúmeros episódios marcantes, desde a cobertura da morte de Che Guevara, em 1967, na Bolívia, à guerra que testemunhou na Guiné e Moçambique enquanto repórter internacional da Associated Press. E conta ainda o revolucionário que foi trazer para a televisão nacional o formato “apanhados”, que passou a revelar o lado mais risível e desprevenido dos portugueses. Mas, aos 77 anos, deixa claro que não faz turismo no passado, que é o presente que lhe interessa e que...os ‘pecados’ que mais gosta de continuar a praticar são... “a gula e a luxúria”. E justifica: “Caramba! Assim até chego aos 100 anos, pá!"

O nosso 'caramba' vai para um momento particularmente especial deste episódio, a meio da conversa, quando Joaquim Letria retira do bolso do seu casaco uma folha dobrada para ler de forma absolutamente comovente a brilhante crónica do poeta e jornalista Pedro Alvim sobre a tragédia das cheias de 67. É por momentos assim que este podcast existe.

Isto e muito mais para ouvirem neste episódio do podcast “A Beleza das Pequenas Coisas”.

Mais uma vez a sonoplastia é do João Luís Amorim, as fotografias são do Nuno Botelho e o genérico é como sabem uma bela criação original do músico Luís Severo.

E não se esqueçam: subscrevam este podcast, ativem as notificações, partilhem-no com as pessoas boas que vos rodeiam e enviem as vossas opiniões, sugestões, histórias e comentários para o seguinte email: abelezadaspequenascoisas@impresa.pt.

Até para a semana, pratiquem a empatia e boas conversas!

nuno botelho