Henrique Raposo

A química do Natal

23 dezembro 2017 0:01

23 dezembro 2017 0:01

Sebastião Formosinho foi um dos grandes químicos portugueses. No auge da carreira, pisou terrenos nobelizáveis. Nos corredores dos departamentos de química, é famosa a história da goleada epistemológica que Sebastião aplicou a um rival anglo-saxónico que já tinha ao peito a medalha do Nobel. “You did well, Sebastian”, reconheceu o rival enquanto aplicava gelo no ego cheio de nódoas negras. Os acasos da vida acabaram por transformar este grande cientista de Coimbra num dos meus tios por afinidade. Nesta condição de tio emprestado, Sebastião ainda teve tempo para ser um dos degraus da minha conversão.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido