Opinião

Eu mudo o hino, se Dino D’Santiago mudar o discurso

25 janeiro 2023 10:50

As piadas do Gilmário sobre a pobreza são iguais à autoparódia que o meu pai, tios e primos mais velhos fazem da pobreza que viveram. Eu tenho mais em comum com Gilmário e com Dino D’Santiago do que com brancos privilegiados. É pena que o discurso de Dino, demasiado identitário e colado à pele, não destaque esta humanidade partilhada

25 janeiro 2023 10:50

Tenho pelo menos duas coisas em comum com Dino d'Santiago. Em primeiro lugar, partilhamos uma alergia ao hino. Aquele lero-lero jacobino resulta de um golpe de estado (1910) que se seguiu a um regicídio (1908), dois eventos sanguinários que uma minoria lisboeta radical impôs ao resto do país. Mesmo quando me arrepio nos jogos de futebol, não consigo deixar de pensar nisso. Aliás, é simplesmente patético aquilo que se vive em Portugal a cada 5 de Outubro: comemoramos um golpe de Estado radical (5 de outubro de 1910) em vez de comemorarmos a fundação de Portugal (5 de outubro de 1143). Somos de certeza absoluta o único país do mundo que não comemora com orgulho a sua fundação, que, neste caso, tem quase 900 anos.