Opinião

Um escrutínio prévio, público e transparente. O questionário? É nada

16 janeiro 2023 9:33

Defendo um escrutínio prévio à indicação e público de quem é proposto ao Presidente para ministros e, talvez, secretários de Estado. Que os candidatos fossem a uma comissão parlamentar onde se deveriam fazer todas as perguntas. Sem poder de veto. O questionário é apenas uma salvaguarda para quem não tem sabido escolher quem põe no Governo. Para o resto do país, vale zero

16 janeiro 2023 9:33

Não é de hoje que defendo um escrutínio prévio e público de quem é proposto para ministro (não sei se é viável, pela quantidade, alargá-lo aos secretários de Estado). Ao contrário do que tenho lido, não desresponsabilizaria o Governo. Não deixariam de ser o primeiro-ministro e os ministros os responsáveis pela indicação dos nomes, de que eles próprios têm o dever de saber o máximo possível. O que reduziria era as consequências do erro na escolha, impedindo que as coisas só sejam públicas quando o mal está feito, obrigando a remodelações sucessivas, que tornam cada vez mais difícil, depois de cada incidente, selecionar pessoas competentes e politicamente preparadas. Quando se procura uma solução, não se procuram formas de entalar os responsáveis políticos, mas de garantir um melhor funcionamento do sistema.